BLOG DO ALEX MEDEIROS

03/08/2016
O capo ficha-suja

As esperanças do PT em ter Lula como candidato a presidente da República em 2018 podem ter sucumbido na Lei da Ficha Limpa. 

O raciocínio é simples: se condenado por um juiz de primeira instância como Sérgio Moro e depois por um tribunal de segunda instância, fica estabelecida sua condição de ficha-suja.

Estará por força legal impedido de disputar a Presidência ou qualquer outra função eletiva até que saia o julgamento de última instância. Um triste fim para quem se sentiu o tempo todo o rei da cocada vermelha.





03/08/2016
Lula e as bravatas

O senhor Luíz Inácio dissimulou como nunca e mentiu com sempre no discurso que fez na micro convenção do PT em Natal, ontem, no ginásio do DED, em Candelária.

Ao falar sobre os fatos que levaram o PSD do ministro Gilberto Kassab e do governador Robinson Faria a ficar a favor do impeachment de Dilma Rousseff, o chefão da Orcrim mentiu feito um bêbado sentindo rico e bonito.

No episódio da veiculação de uma carta do deputado federal Fábio Faria anunciando seu voto no afastamento da presidente, Lula mentiu ao dizer que o governador, pai do parlamentar, se esquivou do seu telefonema.

Ele falou com Robinson exatamente no dia do aniversário do governador, na manhã de 12 de abril. Chegou a sugerir que este pedisse a Fabio para viajar para Orlando com a esposa Patricia Abravanel no período da votação do impeachment.

É verdade que reclamou muito do voto contrário e chegou a cobrar pelo apoio que deu na campanha eleitoral do PSD potiguar em 2014. Só esquece que este apoio teve um ótimo retorno para o PT, que pela primeira vez no RN ganhou uma cadeira no Senado.

Naquele mesmo dia, na hora do almoço, quando Robinson recebia amigos para comemorar o seu natalício, foi a vez de atender um telefonema da própria Dilma Rousseff, que reclamou bem mais do que Lula e logo após foi ligar para Kassab, indagando sobre o voto de Fábio e do resto da bancada pessedista.

Lula não cansa de mentir, como é do seu feitio (que o digam os fatos do mensalão e petrolão), e de tanto o fazer vai deixando os capítulos finais da sua extensa biografia mais vazios do que o ginásio que recebeu ontem a ínfima quantidade de militantes para homologar a candidatura de Fernando Mineiro a prefeito de Natal.





03/08/2016
Caixa 2 na blogosfera

Tem gente do Ministério Público de olho nos repasses paralelos com dinheiro público para blogs do RN. Uma discreta investigação já foi iniciada para tentar desbaratar o esquema que pode envolver empresa de comunicação no papel de atravessadora da grana.





02/08/2016
Godzilla está maior e mais feroz

O monstro radiativo mais famoso do cinema invadiu as salas de cinema japonesas no último fim de semana e em breve chegará em outras partes do mundo. Desde 1954, quando apareceu pela primeira vez nas telas, e depois de dezenas de filmes, Godzilla está bem maior (perto de 118 metros), mais raivoso e numa trama mais dark que as anteriores.

Em Godzilla Ressurge, o monstro da produtora Toho reaparece após 12 anos (último filme da saga japonesa foi em 2004, e teve o americano em 2014) numa superprodução que conta com a participação na direção de Hideaki Anno, famoso no mundo do anime pela premiada série Neon Genesis Evangelion.

O diretor é Shinji Higuchi, conhecido dos amantes do mangá pelo filme "Ataque", um exemplo de ação real saída dos games para o cinema. Ele convidou Anno exatamente para que o novo Godzilla tivesse toques sombrios nos argumentos. Os efeitos digitais são do próprio Higuchi.

O filme mostra um monstro bem mais irracional, mais distante do lado humanizado de outras versões, destacando a força destrutiva da natureza em reação à mão predadora do homem. Os rastros de destruição de Godzilla atingirão 30 km, desde a turística cidade de Kamakura até Tóquio, passando antes pela industrial Kawasaki.





02/08/2016
O lado sombrio da força

Durante esses dias em que Natal vive seu estágio de Complexo do Alemão, muita gente nas redes sociais tem disparado torpedos virtuais contra algumas autoridades que, de alguma forma, ficaram à margem dos esforços para combater a baderna engendrada por bandidos e por seus cúmplices que se sentem prejudicados com a mão do Estado atrapalhando os negócios feitos com celulares nos presídios.

Quando até a representação da igreja católica, que historicamente não emite opinião diante de confronto entre polícia e bandido (os pruridos cristãos teimam em tratar também o criminoso como filho do altíssimo), vai à imprensa e presta solidariedade ao governo e às forças de segurança, causa espécie o silêncio de alguns.

A ausência de alguma nota do Ministério Público (em contraponto ao Judiciário) até se compreende, já que não vejo tanta serventia de promotores no combate direto aos marginais. Mas, a declaração do prefeito Carlos Eduardo, se desviando do foco e avisando no Twitter "Lembro que a missão constitucional de atuar na prevenção e repressão ao crime é do governo estadual", não é desculpa para tanta incoerência.

Aliás, uma omissão que se agiganta quando nos debruçamos sobre um importante estudo dos órgãos de Segurança Pública do estado de São Paulo, que detectaram um dado essencial para se estabelecer o combate mais eficiente à violência urbana. Diz lá que as áreas das cidades onde mais ocorrem crimes são as faixas escuras dos bairros. O mal ataca na escuridão.

E aí urge perguntar, não apenas ao alcaide de Natal, mas de todas as cidades: de quem é a responsabilidade direta de manter o município limpo, organizado e bem iluminado? Ou será que na próxima tuitada Carlos Eduardo vai sugerir que os policiais (que não são dele, mas do governo estadual) andem com lanternas de mão ou nos capecetes?

E uma outra perguntinha: adivinhem quanto a Prefeitura de Natal arrecada na taxa de iluminação pública, que o cidadão-contribuinte paga com obrigação e em dia? Acreditem, é o suficiente para que Natal não seja essa contradição com o próprio nome. A escuridão de muitas ruas revela o lado sombrio de uma omissão inaceitável.





01/08/2016
AL junto com governo no combate ao crime

Os deputados estaduais, durante sessão extraordinária desta segunda-feira (1º), se pronunciaram sobre o atual momento da segurança pública no Rio Grande do Norte e os recentes ataques de badidos no estado. Os parlamentares garantiram apoio às ações de combate e cobraram trabalho direcionado à solução definitiva do problema.

O presidente da Casa, deputado Ezequiel Ferreira (PSDB), leu nota oficial da Assembleia Legislativa, que garante o apoio dos parlamentares no combate à crise. Para o deputado, é preciso a união entre os Poderes para que se possa chegar a uma solução efetiva.

"É preciso unir forças de todos os poderes - Legislativo, Executivo, Judiciário, bem como o Ministério Público, e demais instituições - para colaborar e apresentar ações de combate à violência. Nos colocamos à disposição do Governo e da sociedade para encontrar soluções. Estamos solidários às ações de Segurança e os 24 deputados irão apoiar todos os projetos de combate ao crime, ao mesmo tempo em que torcemos para que a proteção às pessoas seja imediatamente retomada em todo o Rio Grande do Norte", disse Ezequiel Ferreira.

Em pronunciamento, o deputado Kelps Lima (SDD) preferiu não apontar culpados para a crise no sistema prisional e na segurança pública, mas disse que é preciso uma rediscussão sobre o modelo de gestão pública no Rio Grande do Norte e em todo o país. O parlamentar comparou a crise na área de combate à criminalidade com os problemas enfrentados em outras áreas, como Saúde, Educação e de infraestrutura. Para ele, todas as áreas passam por sérias dificuldades devido ao modelo de gestão implantado em todo o país.

"Há uma falência da máquina pública. A diferença (entre as áreas) é que atinge públicos diferentes. O que conclamo é que nós precisamos rediscutir a máquina pública potiguar. Temos que limitar, sim, os gastos, gastar melhor, e saber que o Poder Público tem que servir a todos os potiguares", disse Kelps, que também elogiou as atitudes tomadas para o combate à crise.

O entendimento de Kelps Lima foi semelhante ao do deputado José Dias (PSDB), que também enalteceu a nota apresentada pelo deputado Ezequiel Ferreira em nome dos demais parlamentares. Na opinião do tucano, a divisão entre os recursos públicos no país e a própria Constituição não contribuem para que os serviços à população e o combate à criminalidade pelos estados sejam eficazes.

"Minha esperança não morreu, mas temos uma grande missão pela frente e dependemos de um esforço coletivo", opinou José Dias.

Também comentando a situação da crise de segurança, o deputado Hermano Morais (PMDB) disse que é preciso seguir com o enfrentamento e não se pode recuar. Enaltecendo o trabalho dos policiais e demais profissionais da segurança, Hermano disse que as posições políticas não podem ser empecilhos no momento de combate à criminalidade.

"Sou deputado de oposição, mas quero manifestar meu apoio ao Governo para tomar as medidas corretas, mas que continuem sendo medidas de enfrentamento. Não podemos baixar a cabeça. Que possa ser devolvida a tranquilidade aos cidadãos potiguares", declarou o deputado.

Os deputados George Soares (PR) e Fernando Mineiro (PT), por outro lado, defenderam a necessidade de investimentos em políticas públicas para evitar o crescimento da criminalidade. O parlamentar do PR cobrou ações de enfrentamento também em Assu e afirmou que é preciso buscar trabalhos para ressocialização e combate às drogas para redução de índices de violência.

"O Governo precisa dar um norte à segurança pública, sem acusar governos passados. Faço o apelo a essa Casa para que discuta e cobre do Governo investimento no combate às drogas, que é onde está a manutenção dessa criminalidade. Porém, na atual situação, é preciso o combate imediato e peço que também mandem tropas para o interior do estado, em especial para Assu, que foi alvo de ataques e é uma cidade-polo da região", disse George Fernandes.

Já Fernando Mineiro usou a palavra para elogiar o trabalho da polícia, mas criticando a falta de estrutura, condições de trabalho, de investimento em inteligência, em preparo e capacitação permanente dos policiais. Garantindo que apoia todas as ações tomadas para debelar esses ataques, o deputado pede a implementação de políticas públicas conjuntas para diminuir a onda de violência e que sejam destinados recursos para as melhorias da área de segurança.

"É necessário pensar a questão da segurança à luz de outras políticas públicas, que é o que temos falando constantemente, junto à população. É preciso que essa Casa, ao debater o orçamento de 2017, dê uma atenção mais profunda à questão da segurança", disse Mineiro, sugerindo ainda que o Governo convoque os prefeitos das cidades onde estão ocorrendo ações para discutir e participar do combate à criminalidade.





30/07/2016
É muito cinismo

Por enquanto, apenas as torcidas do ABC, do América, do Flamengo e do Corinthians sabem que a situação do ex-ministro do Turismo, Henrique Alves (PMDB), é tão complicada quanto a de tantos outros réus dos crimes de corrupção no Brasil.

Chega a ser risível a postura idiotizada da entourage que depende dos trocos do líder da oligarquia Alves, que passa o dia nas redes sociais tratando o chefe como se este fosse um baluarte da República, um arauto da probidade, um benfeitor em defesa do povo do RN.

Não seria mais producente fazer uma listinha das coisas que ele gosta, tipo frutas, sanduíches, jornais, revistas semanais, aplicativos de celular? Tem que se preparar para o futuro, né não?





30/07/2016
Simeone eleito melhor do mundo

O técnico do Atlético de Madrid, Diego Simeone, atingiu o climax da carreira ao colocar o clube espanhol duas vezes nas finais da Champions League. Ontem, ele apareceu no topo do tradicional ranking elaborado pela revista inglesa Four Four Two, uma das mais importantes publicações esportivas do mundo.

Na segunda posição aparece Pep Guardiola, que fez história com o Barcelona e conquistou troféus com o Bayern de Munique. Logo em seguida vem o seu compatriota Luis Henrique, atual técnico do Barça. O quarto colocado é o português José Mourinho, que acaba de trocar o Chelsea, onde fez uma temporada mediana, pelo Manchester United.





30/07/2016
Paes e Temer aguardam vaias

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, disse que o momento atual do Brasil, de crise política e econômica, não é o ideal para sediar uma Olimpíada. "As pessoas não fazem ideia do que foi fazer e entregar esse evento com o Brasil nas condições que está e que não começaram ontem. O que estamos fazendo é um milagre", disse Paes em entrevista ao Estadão, ontem (29).

Questionado sobre se estaria preparado para receber vaias na abertura dos Jogos Olímpicos, no dia 5 de agosto, no Maracanã, o prefeito afirmou que já espera por uma reação negativa do público brasileiro e acrescentou que o presidente interino Michel Temer também espera pelas vaias.

"Como dizia Nelson Rodrigues, no Maracanã até minuto de silêncio recebe vaia. Imagina. Acho uma cultura feia do Brasil, principalmente quando a gente está em uma exposição internacional. Acho uma super falta de educação, como achei o que fizeram com a presidente Dilma, inclusive com grosserias, na Copa do Mundo. É a realidade brasileira. Até disse para o presidente Temer: ‘fique tranquilo que o senhor receberá a vaia da largada e eu recebo a da saída (festa de encerramento)".

O prefeito comentou, ainda, o episódio da Vila dos Atletas, em que delegações de alguns países queixaram-se das acomodações. Segundo ele, houve "um problema gravíssimo de gestão" e que durante três meses os apartamentos destinados aos atletas foram invadidos e muitas coisas se roubaram.

"As portas ficaram meio abertas, foi uma falta de atenção do comitê organizador, objetivamente. Você recebe as chaves de uma casa, você lista as condições. Não tinha (na entrega dos imóveis pelos construtores) nenhum apartamento sem privada, sem luminária. Isso tudo infelizmente foi roubado ao longo desses três meses. Não me pergunte por quem, eu não sei. Tanta gente entrou e saiu. O mais grave é que o grito de socorro só aconteceu na quinta-feira passada. Se tivesse um grito de alerta na sexta-feira anterior, estaria tudo resolvido. A gente tem reuniões com o COI, com o comitê organizador, pelo menos três vezes por semana. Tem planilha de alertas, de problemas", relatou.





30/07/2016
Francisco Em Auschwitz

"Não os quero deixar tristes, mas tenho que dizer-lhes a verdade. A crueldade não se acabou em Auschwitz e Birkenau", disse o papa Francisco ao aparecer na janela do palácio episcopal da Cracóvia, na Polônia, ao saudar os grupos de jovens que participam da Jornada Mundial da Juventude.

"Hoje se tortura, muitos são torturados para que falem. É terrível. Muitos homens e mulheres vivem como animais em cárceres superpovoados. É a crueldade dos tempos de hoje", acrescentou o pontífice.

"Eu vi a crueldade que faz 70 anos, hoje em muitos lugares onde há guerras ocorre a mesma coisa", explicou. Durante a visita de quase duas horas aos campos de concentração nazistas, Francisco não fez nenhum discurso oficial e se reuniu com 10 sobreviventes, assim como com 25 "justos das Nações", pessoas que salvaram judeus na Segunda Guerra Mundial.





1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71