BLOG DO ALEX MEDEIROS

07/02/2018
Sangue no YouTube

O maior portal de vídeos do planeta não consegue estabelecer um critério para sua política comercial com anúncios publicitários, que mais das vezes abrem vídeos de violência ou inadequados até para maiores. Há um vídeo, por exemplo, que mostra o Comando Vermelho decapitando uma jovem, logo após exibição de propaganda do Midway Mall.

           



05/02/2018
Hoje é o Dia Mundial da Nutella

Evidentemente não foi alguém "raiz" que inventou a data, mas o fato que me faz agir como blogueiro nutella em divulgar isso é que o dia de hoje é dedicado ao famoso creme de avelã, criado na Itália em 1963 e que desde fevereiro do ano passado provocou uma das maiores ondas de memes no planeta.

Não se sabe bem como a frescura começou, nenhum ´pesquisador de Google ou acadêmico de boteco realizou estudos para historiar as comparações que se multiplicaram em escala exponencial e que agora estão aí, como ilustrações verbais e plásticas da cena urbana, de Natal a Vladivostok, do Oiapoque ao Jiqui.

E como a provar que esse mundo anda nutelado, raquítico pela ausência da musculatura dos grandes valores morais e culturais, muita gente pelo mundo vai comemorar a nascitura efeméride, estimulada pelos restaurantes, bares, cafés e bistrôs, que oferecerão promoções com guloseimas inventadas a partir do produto italiano.

Portanto, hoje nada de oferecer nada à base de chocolate para o seu amor, quer seja ele uma paquera raiz ou um crush nutella. Leve-o para um bar com decoraçãozinha oriental e paredes em dégradée, ouvindo som sertanejo ou forró pasteurizado.

Não vá emborcar garrafas em botecos de mesas com tamboretes, rolando CD de rock ou samba, enfumaçado no cigarro e com o cheiro de gordura encharcando vossas narinas.

Desenvolva uma conversinha sobre o processo criativo da comédia, mostre como sociologicamente é dispensável piadas que chateiem quaisquer tipos de raças, grupos sociais, religiões, torcidas de futebol e fãs do Pablo Vittar.

Uma discreta simpatia pelos partidos de esquerda tem tudo a ver para demonstrar sua essência avelã dos trópicos. Ah, e na hora do sexo, peça licença para mordiscar os bicos dos seios e se desculpe caso seu joelho faça pressão involuntária nas coxas do mozão. Viva o dia da nutella!

           



05/02/2018
Cair, sim, tropeçar no passo, não

O bloco carnavalesco pernambucano O Galo da Madrugada é o maior do mundo, e completa 40 anos neste 2018 com um formato simples para explicar o sucesso: é gratuito. O bloco paraibano Muriçocas do Miramar é o maior do mundo no quesito pré-carnavalesco, faz 32 anos e segue o esquema do homólogo recifense: é gratuito.

O carnaval de rua de Olinda, Recife e Rio de Janeiro, com suas centenas de blocos e fanfarras contaminaram o resto do país e agora contam com a companhia de cidades como São Paulo, Belo Horizonte e outras que experimentam um boom na folia de rua graças à gratuidade do passo no meio das ruas, independente de quem compra camisa.

Há anos, várias pessoas em Natal batalham para devolver à cidade um carnaval de rua nos moldes do que já existiu até princípio dos anos 70 e depois entrou numa entressafra de décadas. O esforço rendeu os frutos que estamos colhendo dos últimos anos para cá, em que pese o caldo de cultura que o modelo baiano impôs com o sucesso estrondoso do Carnatal.

A folia foi se espalhando, sem corda e sem abadá, nos devolvendo a espontaneidade dos tempos dos blocos chamados de elite, onde carros alegóricos eram puxados por tratores. As paradinhas em ambientes residenciais pré-estabelecidos, também chamadas de "assaltos", deram lugar aos bares e botecos. Os blocos se multiplicam entre Petrópolis e Ponta Negra.

Mas nesse passo e compasso da alegria momesca, não se pode perder o rumo do resgate que ainda não se concretizou e que depende bastante desse formato descontraído e relativamente barato para os foliões.

Eu temo um retrocesso quando vejo blocos em crescimento adotando formatos oriundos das micaretas do axé. Já basta a compra de camisetas, bem baratas em comparação aos abadás; e vejo um risco na venda de ingressos para shows em locais fechados.

O nosso carnaval de rua vem superando os contratempos do passado, não pode comprometer o futuro com um contrapasso.

           



05/02/2018
Começa o ano parlamentar

Após 45 dias de recesso, começou o ano do Congresso Nacional - embora haja uma nova interrupção com o feriado de carnaval em alguns dias. As atenções estarão voltadas para a tentativa do governo de aprovar a reforma da Previdência. O presidente Michel Temer não esteve presente na abertura dos trabalhos, mas mandou uma mensagem em que pede urgência no assunto da reforma. O pré-carnaval de SP foi marcado por duas mortes em uma briga em um posto de combustível.

Abrindo os trabalhos
Pela Constituição, deputados e senadores deveriam ter retornado às atividades na última sexta, mas o presidente do Congresso, Eunício Oliveira (PMDB-CE), marcou a abertura para hoje. O presidente Temer mandou uma mensagem em que afirma que "consertar" a Previdência Social é a "tarefa urgente" do momento. Conforme o calendário anunciado, a votação da reforma está marcada para o próximo dia 19.

           



02/02/2018

Concluí o livro "3 Por 4", uma coleção de 50 poemas em estilo hai-kai, todos dedicados a dos maiores mitos da cultura mundial no século XX: Os Beatles.

Os pequenos poemas de três linhas rimam sempre a primeira linha com a terceira, sendo que nesta última eu cito o título de um sucesso musical da banda britânica.

O professor de inglês, músico e compositor João Galvão, um dos renomados beatlemaníacos do RN, que desde os anos 60 interpreta e executa canções dos Beatles, escreverá o prefácio do livro.

Aguardem.

           



01/02/2018
Abril também é mentira no Vietnã

Quem gosta de trama política (politicalha idem) e de jornalismo à moda antiga (sem blogs e Google), não deve deixar de assistir "The Post - a Guerra Secreta", filme dirigido por Steven Spielberg, e com Meryl Streep e Tom Hanks de protagonistas. A batalha entre o jornal The Washington Post e o governo do presidente Richard Nixon, no alvorecer dos anos 1970.

O ponto central do filme é a luta contra a censura e pela liberdade de imprensa. Um documento secreto sobre a Guerra do Vietnã, vazado dos escaninhos governamentais, é publicado pelo diário The New York Times, que é imediatamente proibido de prosseguir com a revelação das verdades que não chegavam à sociedade americana.

Uma cópia do material chega à redação do The Post, cuja proprietária é amiga pessoal de um secretário de Estado, assim como o editor havia sido amigo de John Kennedy. Entre relações festivas com o poder e o espírito investigativo da redação, vem o conflito sobre enfrentar os desejos da Casa Branca publicando o material bombástico. O resto, vocês conferem no cinema. Corram!

Um salto aqui para outra frente de luta contra a censura. Dessa vez naquele Vietnã dominado por regime comunista que acabou dividindo o país em dois até os dias de hoje. O tempo passou e a repressão contra a opinião e a informação ficou como legado do ditador Ho Chi Min, que tudo fez - assim como os EUA - para esconder os acontecimentos na Guerra do Vietnã.

E é isso a temática central de um livro chamado "Um abril silencioso em Saigon", escrito pela romancista vietnamita Thuân, um dos nomes mais excitantes e versáteis da geração de escritores do Vietnã nascida nos anos 70. Ela vive em Paris e lá já escreveu quatro livros que foram muito bem recebidos pela crítica e pelo mercado literário europeu. Os quatro foram publicados no Vietnã, mas o quinto, não.

É que Thuân aborda um tabu existente até hoje no seu país, mesmo com a adesão ao capitalismo e à democracia (faz tempo que abriu loja McDonald's na Saigon que se tornou Ho Chi Min City). Ela escreve sobre o ano de 1975, quando em abril aconteceu o "Saigon Falls", invasão das tropas do norte na capital do Vietnã do Sul, aliado dos EUA.

Thuân era uma menininha em 1975, oriunda de família do norte, e ouvia as acusações contra os irmãos do sul, tratados como proprietários capitalistas. Lembra de 1979, quando o regime incendiava livros com conteúdos ocidentais. O pai lhe contou sobre literatos e intelectuais sulistas levados para campos de reeducação do governo comunista. Até hoje, o romance "1984", de George Orwell, é proibido por lá.

O novo livro bem poderia se tornar uma conexão cinematográfica para Steven Spielberg, no rastro de "The Post". Os segredos revelados e os nunca revelados por norte-americanos e norte-vietnamitas são provas e contraprovas de que nenhuma guerra foi mais secreta do que aquela na pátria de Thuân.

           



31/01/2018
Morreu o poeta da antipoesia

Quando minha geração começou a ouvir as canções da chilena Violeta Parra em meados dos anos 1970, ela já estava morta desde 1967 ao cometer suicídio, exatamente um ano depois de compor o clássico "Gracias a la Vida". Suas canções viraram hinos - "Volver a los 17" também era hit obrigatório nos idílios estudantis da minha juventude - a embalar sonhos e ensaios de luta.

Violeta tinha quase uma dezena de irmãos, padrão das famílias camponesas da América Latina em princípios do século XX. Um deles, Nicanor Parra, foi fundamental para sua carreira artística, que além da música se destacavam poesia, artesanato e pintura. Ele foi o porto seguro quando ela se mudou do interior para Santiago.

Três anos mais velho que a irmã, Nicanor nasceu em 1914 e faleceu no último 23 de janeiro aos 103 anos, depois de viver os últimos anos num balneário próximo da capital chilena. Sua morte abre um vácuo profundo nos contextos literário e acadêmico do Chile. Ele foi um dos seus maiores personagens.

A literatura o apanhou a partir dos anos 1930, apesar de uma relação mais estreita com os números do que com as letras, posto que era formado em matemática. O primeiro livro de poemas foi "Cancionero sin nombre", que lhe estimularia a confeccionar outros e a estabelecer o azimute de novos conceitos. Viveu anos entre os EUA e a Inglaterra e retornou ao Chile em 1951.

Se para muitos, aquela era a década dourada, assim também o foi pra ele, que disparou a publicar livros de poesias, tendo em "Poemas y antipoemas", de 1954, a obra mestra em que desenvolveu a criação da antipoesia. "Em poesia tudo é permitido", disse uma vez como a deixar a conclusão "inclusive nada".

Em 1969, quando o fantasma da irmã Violeta flutuava nas passeatas e nas plenárias universitárias cantarolando as canções em outras vozes, Nicanor conquistou o primeiro galardão literário, o Prêmio Nacional de Literatura de Chile com o livro "Obra gruesa". E muitos vieram, inclusive na velhice com o Cervantes, o Rainha Sofia, finalista no Príncipe de Astúrias e algumas indicações ao Nobel de Literatura.

A estrofe final do antipoema "O Homem Imaginário":
E nas noites de lua imaginária
sonha com a mulher imaginária
que o brindou com amor imaginário
volta a sentir essa mesma dor
esse mesmo prazer imaginário
e volta a palpitar o coração
do homem imaginário
.

A máquina de escrever de Nicanor Parra, uma extensão do seu enorme talento, foi colocada por ele num plano de seguros, sob o número 1.552, com a ordem expressa de permanecer custodiada no Instituto Cervantes, na Espanha, até o dia 5 de setembro de 2064, quando se fará 150 anos do seu nascimento.

           



30/01/2018
Violência é sempre violência

Nos anos 70, os direitistas provocavam o movimento estudantil chamando a repressão policial de "cassetete democrático". Os jovens reagiam com gritos de "fascistas".

Não vejo diferença nos dias atuais quando sindicalistas ligados a partidos de esquerda impedem, com violência, que outros trabalhadores adentrem ao local de trabalho.

O ataque à integridade física de qualquer pessoa, por si só, é um ato fascista, não importa a motivação. Agredir e atirar objetos em alguém é repetir eras obscuras que ficaram nos anais.

Servidores públicos impedirem o ir e vir de outros servidores, como os do Legislativo, é violência. E a violência não é uma coisa escrota de esquerda ou de direita, é só violência.

           



30/01/2018
O paradoxo das idolatrias

O filme "O Destino de uma Nação", narrando a ascensão de Winston Churchill ao cargo de primeiro-ministro britânico no começo da Segunda Guerra Mundial, tem merecido elogios da crítica especializada e renovado na assistência o sentimento de empatia com o personagem político, para muitos considerado o maior nome da história do século XX.

Nas cenas em que Churchill trava debates sobre a estratégia certa para combater o avanço do nazismo na Europa, quando supera visões divergentes ao conquistar a aprovação do rei George, pai da futura rainha Elizabeth que também contará com os préstimos do primeiro-ministro, fica estabelecido um legado do líder conservador: nunca negociar com um fascista ou com gente igual a Hitler.

Isso me remeteu automaticamente aos dias atuais, quando meio-mundo treme a cada semana com os posicionamentos do presidente americano Donald Trump. Não vou classificar o republicano como fascista, nem quero aqui cometer o desatino de procurar comparações entre ele e Winston Churchill. Já basta Lula impor aos seus fanáticos seguidores semelhanças suas com figuras como Jesus e Mandela.

O que me chama a atenção são as visões construídas sobre alicerces empíricos e que geram idolatrias pessoais por perfis tão antagônicos. Exemplos: o mesmo fã de um Churchill refuta um Trump como se tudo na essência de cada um fosse o oposto do outro. O petista admirador de Fidel Castro o considera diferente de Pinochet.

Eu mesmo sou um tiete de Winston Churchill pelo conjunto da obra, mas sabedor de algumas posições que ele teve capaz de ruborizar outros admiradores. O filme e algumas biografias não destacam o Churchill racista e preconceituoso - assim como Trump - seguidor radical dos conceitos darwinista para a raça humana. Como Hitler com os arianos, Churchill queria ingleses puros.

Como Trump com os imigrantes de países "de merda", Churchill tinha horror aos estrangeiros das nações pobres, que iriam misturar a raça britânica. Também rejeitava os próprios ingleses que tivessem a "impureza" da incapacidade física ou das doenças mentais. Defendia o isolamento, como Hitler fez com judeus, ciganos, gays e aleijados. Dizia que era direito das raças superiores dominarem as inferiores.

Quando começou a ter relações diplomáticas e pessoais com os EUA, chegou a defender o processo civilizatório que precisou dizimar nações indígenas. Chamava índios, quer sejam americanos ou africanos, de hordas bárbaras. Povos do norte da África ele chamava de comedores de bosta de camelo. O culto aos mitos precisa de mais ciência e menos conveniência.

           



26/01/2018
Raio Negro na TV

Está no ar na Netflix o primeiro episódio do seriado do super-herói Raio Negro, baseado no personagem da DC Comics criado em 1977 pela dupla Tony Isabella e Trevor von Eden.

Originalmente atleta olímpico e mestre em artes marciais, ele tem poderes de gerar descargas elétricas e criar campos de força magnéticos. Seu alter ego é Jefferson Pierce.

O que pouca gente sabe é que existem mais dois super-heróis com o mesmo nome, um criado em 1965 para a Marvel pela dupla genial Stan Lee e Jack Kirby e outro nascido no Brasil em 1966 pelas mãos do paulista Gedeone Malagola.

O Raio Negro da Marvel surgiu na revista do Quarteto Fantástico, edição de dezembro de 1965. Tem muito mais poderes do que o xará da DC: manipula matéria e energia, tem super força e telepatia, além de um grito semi-sônico. 

O Raio Negro brasileiro tem um anel oriundo do planeta Saturno, que lhe dá vários poderes, inclusive o de voar. Fato que já confessa a inspiração no super-herói Lanterna Verde, da DC. A roupa e o visor lembram o personagem Cíclope, do grupo X-Men, mas o criador jamais admitiu a referência. O alter ego do herói é o piloto da FAB Roberto Salles.

Na foto acima, o primeiro é o da Marvel, seguido pelo da DC e o da GEP, editora que publicou o Raio Negro do Brasil.

           



26/01/2018
As capas da unanimidade

As três principais revistas semanais do País já circulam na noite dessa sexta, 26, se antecipando a talvez o fim de semana mais esperado por seus leitores. E como não poderia deixar de ser, Lula está em todas as capas e nas reportagens de destaque das três publicações.

A Época é a única tem uma manchete, entre três, um tanto favorável ao ex-presidente e distinta das outras duas que estampam o ocaso eleitoral do petista.

Enquanto a IstoÉ grafa na capa vermelha "O cara acabou", e a Veja apela no pedido da prisão, a revista do sistema Globo (costumeiramente atacado pelo PT) afirma que Lula ainda não acabou.

           



26/01/2018
Deputado abdica do salário

O deputado estadual José Dias apresentou requerimento ao presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte no sentido de que sejam suspensos os depósitos do seu subsídio mensal, excluídos os descontos obrigatórios, até que o pagamento dos servidores estaduais seja regularizado por parte do Governo do Estado.

A medida, segundo o deputado, tem caráter "financeiramente simbólico", mas é de extrema importância no momento em que milhares de famílias de funcionários públicos sofrem na pele e têm seus cotidianos prejudicados diante do atraso dos salários.

"É um gesto de solidariedade ao próximo e, meramente emblemático e solidário, mas estou fazendo a minha parte. É como na fábula do passarinho que, diante um incêndio na floresta, procurava apagar o fogo levando pequenas porções de água no bico. Questionado sobre a inutilidade do gesto, declarou: ‘pode ser pouco mas estou fazendo a minha parte'."

José Dias lembrou ainda que, num momento de crise como essa que o RN enfrenta, no qual o funcionalismo estadual tem sido injustamente castigado, todos devem reconhecer que o mais justo e correto é que, quem já recebe menos, ao menos receba primeiro, antes dos demais.

O deputado fez questão de lembrar ainda que, como integrante da Casa, está lutando para a aprovação de medidas que busquem sanar o problema, não apenas a curto prazo, mas a longo prazo também. "Quem paga os salários dos servidores são os impostos arrecadados que, por sua vez, dependem de uma economia forte. Precisamos tomar medidas para o fortalecimento da economia, ao mesmo tempo em que o Governo precisa diminuir seus gastos. O que não pode é o funcionalismo público - e milhares de famílias - padecerem ainda mais, numa realidade que já é difícil diante dos graves problemas de segurança e saúde que prejudicam a todos os norte-rio-grandenses."

José Dias enfatizou que o momento não é o de buscar culpados: "Chegamos a uma situação praticamente ingovernável, resultado de anos de administrações populistas, e não fruto de um único governo. Sempre fui um parlamentar de oposição, mas minha oposição nunca foi meramente de cores políticas, mas sempre em defesa dos interesses do meu estado."

 

           



23/01/2018
Não há motivos para prender Lula

Por Hélio Bicudo*
 
Prender Lula só porque lavou dinheiro ocultando duas propriedades?

Só porque ganhou imóveis e reformas de empreiteiras às quais tinha favorecido?

Só porque recebeu propina fingindo que fez palestras que nunca deu?

Só porque fez o BNDES emprestar 8 bilhões para Odebrecht fazer obras sem concorrência em países bolivarianos?

Só porque comandou uma organização criminosa que quebrou a Petrobrás?

Só porque contratou sondas superfaturadas da Schahim para receber comissões e dinheiro sujo para a campanha?

Só porque mandou acobertar o assassinato do prefeito Celso Daniel pagando com dinheiro da comissão das sondas?

Só porque fez a Petrobras fornecer nafta à Braskem abaixo do valor de mercado por vários anos, causando prejuízo superior a 5 bilhões segundo o TCU?

Só porque saqueou os palácios ao ir embora, levando não só presentes de Estado como até a prataria da casa?

Só porque escolheu e elegeu uma presidente incompetente, despreparada, desequilibrada e burra, propositadamente, esperando com isso sucedê-la 4 anos depois?

Só porque a elegeu tapeando o povo numa campanha criminosamente mentirosa, irrigada com dinheiro roubado da Petrobras?

Só porque permitiu que sua quadrilha saqueasse os fundos de pensão de quase todas as Estatais, prejudicando as aposentadorias de centenas de milhares de petroleiros, carteiros, bancários?

Só porque permitiu que a Bancoop lesasse milhares de bancários para favorecer a OAS e ganhar um triplex no Guarujá?

Só porque deu aval político e dinheiro para que organizações criminosas como o MST invadissem e depredassem impunemente fazendas, centros de pesquisa e prédios públicos?

Só porque sistematicamente comprou apoio político através do Mensalão e Petrolão?

Só porque colocou um cupincha no Sesi Nacional, que transformou a instituição num cabide de empregos para os companheiros e parentes vagabundos?

Só porque ajudou o enriquecimento ilícito de seus filhos em troca do favorecimento de empresas de telefonia e outras?

Só porque vendeu medidas provisórias isentando montadoras de impostos em troca de comissões?

Só porque inchou o governo e as estatais com centenas de milhares de funcionários supérfluos, quebrando o Estado e provocando déficit público recorde?
 
Só porque loteou mais de 30 mil cargos de confiança com seus apaniguados, dando o comando das estatais e autarquias para petistas incompetentes que mal sabem administrar suas vidas?

Só porque elegeu outro poste como prefeito da maior cidade do país, também com dinheiro roubado das estatais?

Só porque comprou milhões de votos com programas de esmola como o Bolsa Família?

Só porque criou o Bolsa Pescador, e deixou 3 milhões de falsos pescadores se inscreverem para receber a sua esmola compradora de votos?

Só porque aumentou nossa carga tributária de 33 para 40% do PIB?

Só porque aumentou nossa dívida pública para quase três trilhões de reais, tornando-a impagável?

Só porque favoreceu o sistema financeiro com taxas exorbitantes de juros, transferindo renda dos pobres para os ricos?

Só porque conseguiu fazer o Brasil torrar toda a bonança da maior onda de alta das comodities na década passada?

Só porque loteou todas as agências reguladoras fazendo-as inúteis na proteção dos cidadãos?

Só porque tentou aparelhar até o STF nomeando ministros comprometidos com a proteção à sua ORCRIM?

Só porque deixou a Bolívia expropriar a refinaria da Petrobras sem fazer nada?

Só porque humilhou nossas Forças Armadas nomeando ministros da Defesa comunistas e incompetentes?

Só porque favoreceu comercialmente ditaduras como as de Angola, Venezuela e outras?

Só porque esfriou relações e esnobou as maiores economias do mundo, direcionando nossas relações exteriores para países inexpressivos comercialmente, apenas no afã de ganhar prestígio e votos na ONU?

Só porque humilhou o Itamaraty orientando a política externa através de consiglieri mafiosos como Marco Aurélio Garcia?

Só porque nos envergonhou deixando nossas embaixadas e consulados sem dinheiro para pagar aluguéis?

Só porque comprou um aerolula da Airbus pelo triplo do que poderia ter comprado um Embraer e promovido nossa indústria aeronáutica?

Só porque descuidou dos programas de saúde pública através de ministros incompententes e desvio de verbas, permitindo a volta de doenças como a dengue e o zika?

Só porque aparelhou todas as universidades federais com reitores de esquerda, obtusos e incompetentes?

Só porque fez o Brasil ser motivo de chacota no mundo inteiro?

Só porque nos tirou o orgulho de sermos brasileiros?

Só por estes motivos? ORA. NÃO É JUSTO!

*Hélio Bicudo jurista e político brasileiro, militante de direitos humanos, bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da USP. Fundador do PT foi um dos primeiros a se posicionar a favor do impeachment de Dilma Rousseff.

           



21/01/2018
Um semideus dos Andes

Momento histórico para o universo do futebol, e que o papa Francisco conhece bem como bom torcedor da seleção albiceleste e do San Lorenzo.

Em visita ao Peru, o líder do mundo católico deu bençãos ao maior jogador de todos os tempos no país de Mario Vargas Llosa, o meia Teófilo Cubillas, incluído na lista da FIFA com os 50 craques do século.

Cubillas comandou a seleção peruana na conquista da Copa América em 1975. Três anos antes, foi eleito o melhor jogador das Américas, cabendo o segundo lugar a um cara chamado Pelé. 

           



19/01/2018
Bomba: Ronaldo na China

E continuam surgindo hipóteses sobre o futuro do craque Cristiano Ronaldo. Depois do interesse do Manchester United em levá-lo de volta, e da suposta negociação com o PSG numa troca por Neymar, agora surge a notícia de que a estrela do Real Madrid pode ir para o futebol chinês.

Segundo o Sky Sport, há uma proposta milionária do Tianjin Quanjian, time aonde joga o brasieliro Alexandre Pato, que tem apoio do próprio governo chinês para usar a imagem de Ronaldo como um gigantesco golpe midiático para sacudir o futebol asiático. Convém lembrar que em 2016 ele recusou ganhar 1 bilhão de reais para jogar na China.

O craque, que acabou de ganhar sua quinta Bola de Ouro, igualando a marca de Messi, vive no momento um período delicado, longe da tábua de artilheiros da Europa (até o volante Paulinho tem mais gols que ele), e impotente diante da má fase do Real Madrid na liga espanhola.

Além disso tudo, sabe-se que ele anda desgostoso com as garras do fisco espanhol, que lhe acusa de sonegação, e com o fato de receber um salário menor do que o do seu rival do Barcelona, Lionel Messi.

Evidente que Cristiano Ronaldo, ainda com 32 anos e vigor físico de garoto, não irá priorizar o futebol chinês na atual fase da vida, mas alguns jornalistas portugueses arriscam prognosticar que se ele não voltar logo a se sentir bem na Espanha, é bem capaz se aventurar na China. Como um Marco Polo da bola.

           



19/01/2018
Ataque 1, defesa 0

Até agora não se viu nem se ouviu manifestação de algum componente do bunker de comunicação do governo estadual a respeito do ato do deputado Kelps Lima em tentar atrapalhar no TCE a aprovação de Lei na Assembleia Legislativa que viabiliza o pagamento dos salários dos servidores do estado.

Sabe-se que o tal bunker discute tudo, todas as técnicas de gerenciamento de crise, sempre diante do horizonte no Oceano Atlântico. Pois não custa muito botar as fuças na vitrine midiática e defender os interesses do time que supostamente veste a camisa.

           



18/01/2018
O surpreendente cidadão Kane

A torcida inglesa anda animada com a nova geração que compõe a seleção de futebol que vai à Rússia. Classificada com uma grande campanha nas eliminatórias europeias, a Inglaterra volta a acreditar que pode cantar de mãe da bola numa copa do mundo.

Mas não é apenas o bom jogo da seleção que empolga os ingleses. Nos pubs e nas casas de apostas o nome do atacante Harry Kane, do Tottenham, se destaca entre craques consagrados como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.

Maior artilheiro da Europa em 2017, Kane causa expectativa tanto na performance com a seleção quanto na disputa da Bola de Ouro no final do ano. Na imprensa europeia, seu nome já é tido como provável para superar a dicotomia Messi-Ronaldo da última década.

Kane marcou 56 gols em 52 jogos, sendo o único jogador em todas as ligas da Europa a superar a marca de um gol por partida. Sua média é 1,08.

Abaixo dele, vem Messi com 54 gols em 64 jogos (média de 0,84), Lewandowski com 53 gols em 55 partidas (média 0,96), Cristiano Ronaldo com 53 gols em 59 jogos (0,85) e Cavani também com 53 e a mesma média de 0,85 gols por partida.

A última vez que um jogador britânico venceu a Bola de Ouro de melhor jogador do mundo foi em 2001, quando a revista France Football elegeu Wayne Rooney, então no Manchester United. Nesse mesmo ano, a FIFA escolheu o português Luis Figo.

           



18/01/2018
Macaíba vai ganhar um shopping

Reportagem PortalNoAr

Durante reunião realizada nessa quarta-feira (17) o diretor geral do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente - IDEMA, Rondinelle Oliveira, entregou a Licença Prévia para a implantação do Outlet Via Sul - Macaíba.

O empreendimento será um complexo comercial, logístico e de serviços que contempla um shopping modelo outlet, com espaço de lazer e entretenimento a ser construído nas margens da BR 304, na área do distrito industrial de Macaíba.

A entrega da licença ambiental aconteceu durante a apresentação do projeto do Outlet Via Sul - Macaíba, na Pousada Macamirim e reuniu empresários, a equipe que desenvolveu o projeto, consultores ambientais, autoridades locais e representantes do Idema.

Na oportunidade, o diretor Rondinelle falou sobre a satisfação em contribuir com a viabilidade de novos investimentos. "Hoje o Idema é um órgão que trabalha com segurança jurídica, o que muito contribui para atrair a implantação de novos projetos.

Em nome de todo o Estado do Rio Grande do Norte, agradeço a parceria de todos aqui presentes e vamos buscar cada vez mais, garantir a permanência de empreendimentos que atraiam investimentos e valorizem a população potiguar", afirmou o diretor geral do Idema, Rondinelle Oliveira.

Durante a reunião, o presidente do grupo Sacs Consult, Sergio Manzalli, apresentou o projeto à equipe. A proposta é que o empreendimento gere mais de 1.000 empregos diretos.

O empresário e idealizador do projeto, Abílio Félix, também se pronunciou durante a reunião, agradecendo o empenho de todos com a viabilização do complexo. "Essa licença significa a chave para o desenvolvimento do projeto que ampliará os horizontes não só do município de Macaíba, mas de todo nosso Estado", afirmou.

O Outlet Via Sul - Macaíba possui uma concepção autossustentável em virtude dos equipamentos previstos em seus projetos complementares, como uma moderna e compacta estação de tratamento de esgotamento sanitário, coleta seletiva, uso de energias renováveis e reuso da água.

Para encerrar o momento, o diretor do Idema falou sobre a vitória do RN, no final de 2017, na participação das construções de políticas ambientais do estado brasileiro, onde, através da Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema), o RN está inserido em três câmaras técnicas que fazem as proposituras de normas e instrumentos utilizados pelo Sistema Nacional de Meio Ambiente (Sisnama).

           



18/01/2018
Entre o show e o bom senso

Quatro gols e duas assistências. Foi o resultado de todas as somas na operação de Neymar diante do frágil Dijón, quando o PSG estabeleceu a maior goleada da liga francesa nesta temporada. 

A performance do brasileiro na partida com ares de jogo-treino serve como remediação ao fato de Neymar não ter fechado 2017 como sonhavam seus fãs. Entrou 2018 vendo o uruguaio Cavani eleito melhor jogador do campeonato.

Fazer quatro gols no modesto Dijón me remete ao ano de 1976 quando Dario (Dadá Maravilha) meteu dez gols no Santo Amaro, atuando pelo Sport na Ilha do Retiro. Por anos o atacante preferido do general Médici usou isso pra se comparar com Pelé.

Para quem não sabe, e só agora tomou ciência da existência do campeonato francês, o Dijón é um clube das divisões inferiores e experimenta pela terceira vez apenas a participação na primeira divisão. Está para a França como ABC e América estão para o Brasil.

Em meio ao faniquito de alguns fanáticos canarinhos com a goleada do PSG, a Folha de S. Paulo foi o único veículo brasileiro a destacar o que boa parte da mídia europeia destacou: "Atuação de gala de Neymar vira pano de fundo em briga com torcida", disse o jornalão paulistano.

Neymar, depois da experiência que teve no Barcelona, já era para entender que por mais craque que seja não deve nem pode disputar o coração da torcida com quem já ascendeu à condição de ídolo da massa. Poderia ter evitado manchar o show de bola com as vaias da arquibancada.

Já havia feito três gols, dado duas assistências, mas pela enésima vez deixou a vaidade falar mais forte na boca da alma. Ao pegar a bola para bater o pênalti, sabia pelo sibilar dos apupos que a torcida queria Cavani na cobrança que lhe daria o título de maior artilheiro da história do clube. 

Ignorou o décimo segundo jogador do time, bateu para converter o quarto gol, e decidiu se isolar da festa no gramado, descendo ao vestiário com cara de menino arteiro. Despido de bom senso, saiu literalmente à francesa do estádio Parc des Princes.

Ou como publicou um jornal espanhol, saiu a "tomar las de Villadiego", uma expressão que se popularizou na Espanha em alusão a quem sai de fininho pra não correr risco. Na Idade Média os judeus fugiam para Villadiego, uma localidade perto da cidade de Burgos.

           



14/01/2018
Zidane jogando a toalha

Pior do que uma derrota em casa para o Villarreal foi a sensação humilhante de ver o Barcelona com 16 pontos de dianteira. A toalha já foi jogada no Santiago Bernabeu, é quase impossível uma recuperação.

Não está nada fácil a atual temporada do Real Madrid em La Liga, situação também terrível para o técnico Zinedine Zidane que já vê a imprensa madrilenha insinuar e até sugerir sua demissão.

Enquanto isso, o arquirrival da Catalunha vive uma das melhores temporadas de todos os tempos. E como se não bastasse, o craque do time, Lionel Messi, também experimenta um período mágico.

Tudo isso serve também para pulverizar qualquer tese sobre prejuízos na saída de Neymar. Os números, tanto do Barça quanto de Messi, rebaixam a zero um suposto peso da ausência do brasileiro que se foi para o PSG.

Aliás, o time francês pode ser mais uma dor de cabeça para o Real Madrid. A continuar jogando como hoje, corre sério risco de ser eliminado na Champions League pelo clube de Neymar, Cavani e Mbappé.

           



11/01/2018
Ronaldo constata erro de Neymar

Deixar de ser coadjuvante de Messi para ser a mesma coisa de Cavani é um comentário que cada vez chega mais aos ouvidos de Neymar. Sem falar na diferença abissal na troca do Barcelona pelo PSG.

Nestes primeiros dias de 2018, o craque obteve dois reveses pessoais que se incorporam às críticas pela escolha clubista, apesar do fator milionário da empreitada.

Depois de perder para Cavani a condição de maior ídolo do time de Paris (a imprensa francesa elegeu o uruguaio melhor do PSG), Neymar não viu seu nome na seleção da Europa com os melhores de 2017, divulgada hoje pela UEFA.

E para completar, no meio da tarde o craque Ronaldo Nazário comentou que foi um erro sair do Barcelona para tentar a sorte pessoal e coletiva no Paris Saint Germain.

Em tempo: sem Neymar, o Barcelona vive uma das melhores temporadas da sua história, com Messi voando em talento e protagonismo. E Cavani já é um dos artilheiros da Europa e queridinho da torcida parisiense.

           



11/01/2018
Dos anais da Copa 70

Em 1969 a Revista do Esporte parou de circular. A falência não poderia chegar em ano tão impróprio, quando o craque Tostão danou-se a fazer gols ajudando a seleção de Saldanha a garantir a classificação para a Copa do México.

O ídolo do Cruzeiro jogou por ele e Pelé, que não andava bem por uma contusão e um problema no olho (o próprio Tostão passaria por problema pior e acabou fazendo cirurgia no olho esquerdo).

No alvorecer de 1970, a editora Abril decidiu ocupar o vazio aberto pela Revista do Esporte e lançou a Placar. Na edição número 0, só dois jogadores mereceram mais de uma página: Pelé e George Best.

Ao se aproximar a Copa, foi escalada uma seleção de jornalistas e colaboradores para cobrir o evento na terra de Cantinflas. E o cartunista Henfil ficou responsável por uma página de humor sempre relativa à seleção brasileira.

Entre as coisas que mais irritavam o ranzinza técnico Zagallo, tinha destaque biliar o fato de que não fora ele a montar a orquestra afinada por Saldanha. E ninguém tinha mais prazer em cutucar as fraquezas humanas do que o criador do provocador e politicamente incorreto Fradim.

Numa das páginas impagáveis do irmão de Betinho na Placar, uns quadrinhos com Zagallo durante uma coletiva de imprensa. No meio de dezenas de microfones, câmeras e fios, uma voz pergunta: "Mister Zagallo, é verdade que quem escala o time é o Pelé?".

No quadro seguinte, um então jovem Lobo babando ódio em estado pré-infarto, gritando que aquilo era intriga da imprensa comunista, carrega uma passeata de repórteres em direção ao vestiário para que todos ouçam a resposta na boca do próprio Rei do futebol. "Pelé, diga pra eles a verdade. É você que escala a seleção?".

O number one do esporte bretão, todo ensaboado, responde com a monárquica sinceridade: "É mentira. Eu só dou umas dicas, quem escala é o Gerson!".

PS - Crônica em homenagem aos 77 anos do craque Gerson, o canhotinha de ouro da seleção tricampeã do mundo. 

           



09/01/2018
Coutinho é oficialmente do Barcelona

A segunda maior transação do futebol foi concretizada ontem (8), logo que o Liverpool aceitou a proposta de 160 milhões de euros (R$ 620 milhões) feita pelo Barcelona para ter o meia-atacante Philippe Coutinho.

O namoro do clube catalão com o craque brasileiro já vinha acontecendo, mas nada de casamento na janela de transferências. Ano passado, o time inglês chegou a castigar Coutinho, sacando-o do quadro titular, só porque o jogador demonstrou interesse no Barça.

Philippe Coutinho foi apresentado ontem mesmo no Camp Nou, com direito a todas as honras de uma grande aquisição. Fez embaixadas para a torcida e deu entrevista.

Em uma das primeiras perguntas, foi questionado por que havia escolhido o Barcelona para essa mudança. Foi curto e grosso: "porque é o Barça", disse.

O jornal inglês "Daily Mail" acompanhou todos os últimos passos do brasileiro, até o anúncio oficial dos espanhóis. Na reportagem, relata que, o tempo todo, Philippe fala do Barcelona dando ênfase que se tratava de um sonho de infância vestir a camisa azulgrená.

"Grandes ídolos meus passaram por este clube e estão jogando por este clube", disse o brasileiro. E quando questionado se estava, atualmente, se referindo a Messi e Suárez, disse que sim.

"Tenho a sorte de dividir o vestiário com eles", declarou o brasileiro, que, revelou ser um sonho poder jogar ao lado do "melhor do mundo", se referindo ao camisa 10 da equipe e da seleção argentina.

O camisa 10 do Liverpool fez 201 partidas pelos Reds, marcando 54 gols e sendo considerado o melhor do time algumas vezes. No Barcelona, terá que escolher outro número, obviamente, mas o talento permanecerá o mesmo.

Philippe Coutinho tem sido considerado por jornalistas europeus o melhor brasileiro em atividade no continente. Quando o comparam a Neymar, argumentam que o craque do PSG divide o protagonismo com o uruguaio Cavani, enquanto ele é absoluto no Liverpool.

Nas Olimpíadas do Rio, por exemplo, foi visível o papel primordial de Coutinho na conquista do ouro inédito para o Brasil. A seleção brasileira mudou pra melhor com sua participação. Foi o maestro da campanha.

 

           



09/01/2018
Greve como plataforma eleitoral

Não se enganem os incautos. Por trás das paralisações em curso no RN, iniciadas com as polícias civil e militar, não está apenas o argumento do atraso de salário e falta de condições materiais de trabalho.

Há também um componente eleitoral em jogo. É a tática disfarçada dos sindicalistas envolvidos nas greves com a clara intenção de marcar posições para quando o processo da eleição de outubro começar.

Sindicatos são braços de partidos, que já estão com suas candidaturas em ritmo de ensaios como os blocos de carnaval. E no meio da paralisação policial, já se levantam figuras sonhando com uma cadeira na Assembleia Legislativa.

           



09/01/2018
Mudança radical na comunicação do governo

A jornalista Juliska Azevedo não suportou a pressão da crise generalizada no governo do estado, que naturalmente atinge a comunicação na consequente maculação da imagem da administração.

Agradeceu os dois anos de confiança do governador Robinson Faria e entregou o cargo. Ela já havia substituído a colega Georgia Nery, que deixou a secretaria no começo do governo.

Ambas são de extrema confiança do governador, trabalharam com ele por anos quando Faria era deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa. 

Ontem mesmo, o governo anunciou o substituto de Juliska, o publicitário Pedro Ratts, que fez carreira no mercado da propaganda como redator e como fundador da agência que leva o seu nome.

O anúncio de Ratts como novo secretário estadual de comunicação surpreendeu o mercado, pelo fato da sua ligação pessoal e profissional com Arturo Arruda, cunhado de Henrique Alves. Ratts teria trabalhado na campanha de Alves contra Robinson em 2014.

Outro fato comentado nos grupos de WhatsApp é que Pedro Ratts foi um dos principais ideólogos da criativa campanha digital de Kelps Lima, que se elegeu deputado estadual usando a Internet como catapulta do seu nome.

E é notória a posição radical de Kelps na Assembleia Legislativa contra o governo de Robinson Faria. O nome de Pedro Ratts para substituir Juliska Azevedo contou com o apoio de alguns auxiliares do governador, principalmente do seu filho deputado Fabio Faria.

           



05/01/2018
A história passeia no Palácio José Augusto

Quem percorre os espaços públicos do Palácio José Augusto, pode relembrar traços da história política do Estado. A começar pelo governador que dá nome à sede da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, basta que se tenha acesso ao Salão Nobre Deputado Iberê Ferreira de Souza e ao Auditório Deputado Cortez Pereira para lembrar personagens que deixaram suas marcas também como gestores.

A história continua sendo contada quando se chega ao Plenário Deputado Clóvis Motta, à Sala de Redação Jornalista Luciano Herbert ou passa pelo Espaço Cultural Deputada Maria do Céu Fernandes.

Depois de atuar como Procurador da República em 1905 e juiz da Comarca de Caicó, José Augusto Bezerra de Medeiros, patrono da Casa Legislativa, começou sua carreira política como deputado estadual em 1913. Na Assembleia, ajudou a escrever a Constituição do Estado, em 1915, ao lado de deputados como Henrique Castriciano, Tomás Salustino e Alberto Maranhão.

José Augusto teve uma carreira política vitoriosa com sete mandatos de deputado federal, dois de senador da República, e no meio destes, um mandato de governador do Rio Grande do Norte, de 1924 a 1928. "José Augusto é uma figura pública de uma proeminência incrível no Rio Grande do Norte", ressalta o historiador Plínio Sanderson, explicando que o potiguar chegou ao Governo a partir da amizade com o então presidente da República, Arthur Bernardes. "Teve um episódio chamado ‘As cartas falsas', onde o presidente foi acusado de enviar cartas falando mal das Forças Armadas. E foi José Augusto quem terminou provando que as cartas não eram verdadeiras, e assim ele ficou muito amigo de Arthur Bernardes", explicou Plínio.

Segundo o historiador, José Augusto, autor de duas revistas cariocas - ‘A Educação' e ‘A Educação Brasileira' - governou o Rio Grande do Norte e elegeu como sucessor o tio Juvenal Lamartine. "Ele fez um governo interessante, onde apoiou a mudança genética do algodão mas, o maior destaque foi a lei do voto feminino, que foi em 1927", disse Plínio.

Assim como José Augusto, José Cortez Pereira também foi indicado para administrar o Rio Grande do Norte. Ele foi o primeiro governador biônico do Estado (1971 a 1975) e foi escolhido pelo presidente Emílio Garrastazu Médici em 1970. "Foi durante uma conferência em Recife, ele fez um discurso na Academia Militar e esse discurso foi muito bem visto pelos militares, o que lhe proporcionou a indicação", conta Plínio Sanderson, que classifica Cortez Pereira como um homem visionário. "Como governador ele plantou as raízes do desenvolvimento no Rio Grande do Norte. Ele estudou a questão agrária e criou projetos como o Polo Nordeste, Chapada do Apodi, Serra do Mel (com base em kibutz de Israel), o Bicho da Seda, e até cultivou amoras em Nísia Floresta", lembrou o historiador, que cita como destaque o Projeto Camarão, que ficou conhecido em todo o mundo.

"Ele transformou uma área que naquele tempo não tinha muito valor, que eram os manguezais, em criadouros de camarão. Ainda lutou pelo plantio de café nas serras do Rio Grande do Norte, foi o primeiro gestor a se preocupar com planejamento familiar, com o Projeto Minerva", ressaltou Plínio, lamentando que, pelo que conta a história, os ESPAÇOS NOBRES grandes projetos de Cortez Pereira, por questões políticas, foram "engavetados" pelos gestores seguintes, impedindo que o plano de desenvolvimento do Estado desse seguimento.

Cortez Pereira foi cassado depois de sua gestão, e quando morreu, em 2004, exercia o mandato de prefeito do município de Serra do Mel. Como legado do Governo Cortez, a Assembleia Legislativa aprovou, em julho de 2015, a denominada ‘Lei Cortez Pereira', que regulamentou a atividade de carcinicultura em bases sustentáveis no Rio Grande do Norte.

Também começando a carreira política como deputado estadual, exercendo dois mandatos, e depois federal, com cinco mandatos consecutivos, Iberê Ferreira de Souza, que dá nome ao Salão Nobre da Casa, foi governador do Rio Grande do Norte. Como vice eleito na chapa da então governadora Wilma de Faria em 2006, assumiu o Governo em 31 de março de 2010, quando a titular renunciou para disputar uma vaga no Senado. Iberê governou até 31 de dezembro do mesmo ano.

Além dos mandatos eletivos, Iberê foi auxiliar dos governos chefiados por Lavoisier Maia, José Agripino Maia, Garibaldi Alves Filho e do primeiro Governo Wilma de Faria. Como deputado federal, ajudou a escrever a Constituição de 1988, sempre mantendo o tom de parlamentar municipalista que permeou seu carreiro como político.

"Uma vez o partido reuniu a bancada federal para definir como iria se posicionar para votar o aumento de um ano do presidente José Sarney. Iberê disse que só responderia depois de ligar para os prefeitos aliados no Rio Grande do Norte", lembrou o ex-deputado estadual, ex-presidente da Assembleia Legislativa e primo de Iberê, Ezequiel Ferreira de Souza. "Iberê era um grande municipalista e tinha um amor enorme pela sua terra e pelo povo de Santa Cruz; exerceu a vida pública como sacerdócio e prestou muitos serviços ao Rio Grande do Norte", ressaltou Ezequiel, pai do atual presidente da Casa, Ezequiel Galvão Ferreira de Souza.

Iberê morreu no dia 13 de setembro de 2014, em decorrência de complicações causadas por um câncer que foi diagnosticado em 2010, ano em que assumiu o Governo.

Plenário

Como vice do governador Monsenhor Walfredo Gurgel, Clóvis da Motta exerceu a presidência da Assembleia Legislativa no período de 1966 a 1971, época em que o vice-governador automaticamente assumia a presidência do legislativo. Antes, em 1954, foi eleito deputado estadual, tendo se destacado pela recriação do Corpo de Bombeiros Militar, criado em 1917. "Quando ele morreu foi transportado para o sepultamento em carro aberto do Corpo de Bombeiros", lembrou o cunhado Carlito Meirelles.

Clóvis Motta, que dá nome ao Plenário da Assembleia Legislativa, exerceu ainda dois mandatos como deputado federal, e foi eleito presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (FIERN). Os herdeiros políticos são o deputado estadual Ricardo Motta e o deputado federal Rafael Motta.

Quem passa pelo principal corredor do Palácio José Augusto se depara com uma permanente exposição de obras de arte assinadas por artistas plásticos do Rio Grande do Norte. O lugar denominado Espaço Cultural Deputada Maria do Céu Fernandes, homenageia a primeira mulher a ocupar o cargo de parlamentar na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte. A potiguar nascida em Currais Novos também foi a primeira deputada estadual do Brasil. Eleita com 12.058 votos, teve seu mandato cassado em 1937, por discordância das ideias getulistas durante o Estado Novo.

Com um olhar curioso sobre todos os personagens que dão nome a espaços de destaque na Assembleia Legislativa, cobrindo a política que contava a história de cada um dos personagens citados, o jornalista Luciano Herbert também entrou para a história do Palácio José Augusto, e não apenas como coordenador de Comunicação, cargo que exerceu no período de 2006 a 2009. O editor da Tribuna do Norte, Diário de Natal, e repórter correspondente do Jornal do Brasil, que morreu em outubro de 2015, vítima de um câncer, hoje dá nome à sala da Assessoria de Imprensa da Casa. Decisão do plenário com apoio dos 24 deputados da legislatura.

 

           



03/01/2018
O vômito verbal das castas

Nas minhas redes sociais tem todos os tipos de gente e de visões ideológicas. Entre todos, já identifiquei faz tempo os mais barulhentos, os que se travestem de chicote do mundo, os plantonistas do vitimismo alheio que se jactam porta-vozes da coletividade.

Praticam mais "mimimi" do que militontos que seguem às cegas Lula ou Bolsonaro. São, em esmagadora maioria, legítimos componentes das castas que esbaldam gordos salários sugados do erário, quase sempre gozados em viagens transatlânticas ou nos passeios diários em shoppings do País, após alguns minutos em repartições públicas que eles teimam em chamar de "trabalho". Alguns arrastam sacolas de livros, que servirão para estudar os problemas do mundo ou para exibir nos cafés diante de incautos olhares.

Acampados no mais das vezes nos wifis dos órgãos estatais, teclam rugidos de indignação em nome de pobres, de servidores públicos, de professores ou de policiais, escondendo no cinismo das postagens a real preocupação umbilical: o luxuoso auxílio salarial. Todos lembram a canção "Eles", de Caetano: "Eles guardam dinheiro pro dia de amanhã".

Ninguém caga tanta regra nas redes sociais quanto os inescrupulosos marajás do serviço público. Dá pra sentir a boçalidade de postura nas suas postagens. As matrículas que garantem os benefícios são a própria fantasia de "otoridade" garantida no Judiciário, Ministério Público, Tribunais de Contas, cargos diretivos e consultivos no Executivo e Legislativo, ou em órgãos federais.

Essa gente carrega na pseudo consciência cidadã a mais nojenta das posturas, é a mentira de si mesma elevada a uma desonestidade intelectual que enoja. A suposta elegância de gestos e poses no passeio público é apenas uma casca a camuflar a indecência interior. Como a crosta fibrosa que esconde embaixo uma ferida pútrida, um tumor purulento.

           



02/01/2018
R.I.P. Arimateia Fernandes

Não deu certo.
Toda aquela enxurrada de mensagens que troquei no reveillon, as centenas de postagens com o tradicional "feliz ano novo", tudo se perdeu na formalidade dos festejos.
Pelo menos pra mim, o novo ano não começou feliz. Começou arrasador, levando embora esse grande amigo que foi Arimateia Fernandes, nosso "Boscora", um engenheiro de formação e construtor de amizades de coração.
E foi seu grande coração tão bem habitado de amigos que fadigou hoje e parou de bater, deixando amigos e familiares parados, rasgados, na sua brusca ausência.
Sem Arimatea, 2018 começa mal pra mim. Não é fácil ser feliz assim; perder amigos é perder fatias de vida.

           



01/01/2018
As séries mais pirateadas de 2017

Primeiro dia de um novo ano, após o feriado muita gente começa a planejar as ações e atos em 2018. E entre umas coisas nos afazeres de casa e do trabalho, há outras relacionadas ao prazer, ao lazer, como a escolha do que vai ver no cinema e na TV.

Na capa do Galo Informa você vai ver um vídeo compilando os principais filmes que serão exibidos esse ano, enquanto que aqui no blog eu enumerei as séries mais copiadas e vendidas no paralelo, a partir de um levantamento do portal "TorretFreak". Algumas delas, tenho certeza, você vai querer ver, se é que não viu ainda. Abaixo, a lista das séries preferidas da pirataria:

10. Arrow, sobre as aventuras do Arqueiro Verde, o personagem de HQ da editora DC Comics.

09. Suits, uma produção canadense de grande sucesso e que revelou a atriz Meghan Markle, noiva do príncipe inglês Harry.

08. Vikings, um seriado épico lançado em 2013 e que já obteve 11 indicações ao prêmio Emmy.

07. Sherlok, baseada no mítico detetive britânico e que tem produção assinada pela rede BBC.

06. Prison Break, um sucesso mundial com uma trama que envolve o assassinato de um irmão da vice-presidente dos EUA.

05. Rick e Morty, uma produção em desenho animado com abordagem no humor negro e caviloso.

04. The Big Band Theory, série de humor rasgado super badalada no mundo inteiro. Narra as aventuras de Sheldon, Leonard, Raj, Howard  e Penny.

03. The Flash, mais um super-herói da DC Comics que atraiu os copiadores de plantão. O ligeirinho vermelho vai conquistando todos.

02. The Walking Dead, a epidemia zumbi que já vai na oitava temporada e cada vez mais bizarra e empolgante.

01. Game of Thrones lidera mais uma vez o submundo das cópias piratas. Na sétima e anunciada penúltima temporada, a guerra parece que não vai parar.

           



01/01/2018
Avanços no ano novo

Ao leitor de atitude
que sabe que pode
o desejo do blog
de muita saúde
e que nada mude
do que está certo
amigos por perto
amor sem engano
feliz novo ano
de peito aberto.

           



30/12/2017
Poema de fim de ano

Num poema
me amparo
se fujo ao tema
penso e paro
miro o problema
dou um disparo
volto à cena
e me reparo.

           



30/12/2017
A palavra do ano

Nem "empoderamento", nem "sextou", nem "fake news" e muito menos "treta". A palavra do ano na minha opinião surgiu na Espanha e ganhou a mídia tradicional e as redes sociais do mundo neste 2017.

Pela força nefasta que ela representa nesses tempos de incertezas econômicas e intolerâncias ideológicas, eu escolho "Aporofobia", um neologismo criado pela filósofa espanhola Adela Cortina, usado em vários artigos e que penetrou nos textos jornalísticos da Europa e EUA.

Apesar de muitas vezes usada como significado de uma xenofobia específica contra imigrantes e refugiados, a palavra carrega em verdade uma dosagem escrota de aversão aos pobres, como identificou a própria criadora do termo.

"A rejeição aos refugiados não se produz por sua condição estrangeira, mas sim porque são pobres", sentenciou Cortina num dos últimos artigos publicados este ano.

Se transportarmos a "Aporofobia" para a conjuntura brasileira, principalmente observando o histérico debate nas redes sociais, veremos o horrendo sentimento disfarçado nas teses dos novos playboys desfilando em novas siglas partidárias que vendem a redenção do Brasil numa ilusória política de mercado.

Herdeiros de toda a podridão sócio-política de um país espoliado à direita e à esquerda, os jovenzinhos com gravatas no ego tentam evangelizar as almas sedentas de horizonte, apontando a utopia de seus próprios delírios monetários.

           



30/12/2017
O feminismo pop da Catalina

Ela é um fenômeno nas redes sociais e é conhecida como Catalinapordios, um neologismo untando palavras que ouvia quando menina na casa dos pais nos instantes em que quebrava padrões, subia em árvores ou interrompia conversas de adultos.

"Se eu tivesse nascido homem, me diriam 'Catalino, que legal', 'Catalino, que coragem', mas como era uma garotinha, só me diziam ‘Catalina por Deus'", diz a hoje feminista colombiana radicada no México, Catalina Ruiz Navarro.

Aos 35 anos, ela vem revolucionando aas redes com seu feminismo pop latinoamericano onde a força do discurso está nos vídeos curtos e bem humorados que exploram novas ideias e debates feministas, sem perder o foco da violência e discriminação que sofrem as mulheres.

Numa entrevista que repercutiu em jornais do México, Colômbia, Chile, Argentina e Espanha, Catalina conta como e porquê se fez feminista, e faz uma reflexão sobre as agressões machistas nas redes sociais, em que ela reage com sarcasmo e bom humor, conseguindo com isso envolver milhares de mulheres na mesma maneira de reagir.

"Há um prazer em odiar as feministas na Internet, porque pessoas como eu estão transgredindo em dobro o olhar machista nas redes. Porque quando uma mulher, uma jornalista, uma blogueira, estão postando receitas gastronômicas ou dicas de moda, ninguém trola, mas tratar de direitos e avanços femininos transgride", diz.

Catalina mescla a fina capacidade cômica com a profundida acadêmica de uma formação em antropologia e um curso rápido de filosofia, uma mistura que espanta machos menos avisados.

Disse que abdicou da vida acadêmica para usar o jornalismo como uma interação direta com as mulheres, uma forma de ter incidência e audiência no contexto feminista. É colunista semanal nos jornais El Espectador e El Heraldo (Colômbia), Vice (México) e Univision (EUA). Em janeiro lançará uma editora e uma revista digital chamada Vulcânica.

Acesse o site 
www.catalinapordios.com e procure Catalina no Twitter, Instagram e Facebook, usando o mesmo título.

           



30/12/2017
A bola de ouro latina

O principal diário do Uruguai, El País, divulgou ontem os três jogadores finalistas na disputa do tradicional troféu Rei das Américas.

São dois do Grêmio, Arthur e Luan; e um do Flamengo, Guerrero.

O prêmio vem sendo anunciado pelo jornal uruguaio desde 1986, substituindo o diário venezuelano El Mundo, que tocou a honraria (também chamada de Melhores do Futebol) entre 1971 e 1985.

Os maiores ganhadores do Rei das Américas são, pela ordem: Figueroa, Zico e Tévez (3 vezes), Maradona, Francescoli, Verón e Neymar (2).

O ganhador da primeira edição, em 1971, foi o gênio Tostão, maior ídolo da história do Cruzeiro. Dois anos depois, o rei Pelé foi o eleito.

           



30/12/2017
hai kai

Discurso pseudo estóico
esconde atrás do rincho
o vitimismo paranóico.

           



21/12/2017
A embaixadora da Copa da Rússia

Victoria Lopyreva é atriz, modelo, apresentadora de TV e uma das blogueiras mais populares da Rússia, com destaque em diversos veículos de comunicação da Europa.

Tem 33 anos e um currículo artístico de fazer inveja, o que levou os organizadores da Copa do Mundo de 2018 a elegê-la a embaixadora oficial do certame.

Durante as jornadas informativas do comitê organizador da Copa, a embaixadora estará presente como principal figura do cerimonial a repassar ao mundo os objetivos e metas do evento.

           



19/12/2017
Messi papa mais um prêmio

Enquanto a blogosfera pacheca tenta todo dia (vide os blogs esportivos do UOL e Folha) procurar motivos para cuspir ufanismo pró-Neymar e diminuir o brilho do Barcelona sem o brasileiro, mais o craque Lionel Messi mantém seu ritmo de gênio incomparável.

O argentino não pára de acumular prêmios e estabelecer novas marcas pessoais invejáveis. Ontem, recebeu mais uma vez o Troféu Pichichi de artilheiro da temporada da Espanha. E ganhou também o troféu Alfredo Di Stefano, de melhor jogador da liga.

O prêmio ao artilheiro leva o apelido de um dos maiores goleadores do futebol espanhol, Rafael Moreno Aranzadi, o "Pichichi", que atuou no Athletic Bilbao entre 1911 e 1921. Foi a quarta vez que Messi levou o troféu; ganhou também em 2010, 2012 e 2013. Quanto ao troféu Di Stefano, dispensa explicações: foi um dos 5 maiores da história, ao lado de Pelé, Cruijff, Maradona e o próprio Messi.

Enquanto isso, em Paris, o uruguaio Cavani segue sendo o protagonista do PSG. Além de artilheiro isolado, é também o mais idolatrado pela torcida do clube e pela imprensa francesa. Só não vê, quem não quer. Ou quem não lê a mídia da terra de Zidane e Platini.

           



16/12/2017
Hoje é dia do asteroide

Como vocês sabem, hoje é o dia da passagem de um asteróide que vai raspar nossa fronteira exosférica. A raspada, obviamente, é em escala sideral, que para as distâncias cósmicas se equivale a um ônibus da linha Rocas-Quintas em relação a um poste numa esquina de Campina Grande.
Quero aproveitar o evento espacial para lançar um desejo, depois que li notícias tratando Anitta como uma diva do rock; a eleição de melhor canção do ano para um medíocre Pablo; e a risível comparação de Renato Gaúcho com Cristiano Ronaldo.
Como não é impossível a um ônibus urbano de Natal se desviar até a Paraíba; pois basta a vontade de um motorista aliada ao combustível suficiente; peço aos guias do Universo, deuses e ETs, que desviem a porra desse asteróide diretinho pro Brasil.

 

           



15/12/2017
94,88% ignoram eleição pra governador

A Federação das Indústrias do RN divulgou na tarde de ontem uma pesquisa realizada pelo Instituto Consult onde foram colhidas opiniões sobre os governos federal, estadual e municipal e sobre as eleições do próximo ano.

Assim que os números caíram na rede internética, blogs de todas as cores e tendências danaram-se a fazer suas leituras, conforme o gosto do freguês, por assim dizer. Os dados preferidos para as manchetes são os da aferição para governador.

O que ninguém disse, mas eu vou logo dizendo, é que exatamente nesse ponto a pesquisa revela o fantástico nível de rejeição do eleitorado para com a classe política como um todo. O povo ignora solenemente a eleição de 2018.

Na pergunta não estimulada (quando o pesquisador não influencia o entrevistado apresentando nomes), que é a que melhor exprime um resultado real, a maioria esmagadora, 66, 82%, afirmam não saber em quem votar pra governador, enquanto 28,06% diz não votar em ninguém. A soma disso é uma porrada na cara dos partidos e políticos, 94,88%.

Nos poucos que arriscaram dizer um nome, nenhum dos citados atingiram sequer 2%. Apenas três pré-candidatos chegaram na casa de 1%, Fátima Bezerra (PT), Robinson Faria (PSD) e Carlos Eduardo (PDT). Um dado que provocou piadas nas redes sociais foi a aparição do senador gaúcho Paulo Paim como candidato a governar o RN.

Mas se servir de consolo para os interessados locais, essa enorme indiferença popular não é fenômeno apenas no RN, é tendência nacional. Mesmo sendo cedo ainda, as pesquisas por todo o País apontam que o eleitor rejeita radicalmente o processo eleitoral com a presença da velha política que lançou o Brasil na crise sem precedentes.

           



13/12/2017
Crescem vendas das calcinhas brancas

A marca Duloren divulgou resultado de uma pesquisa que aponta um aumento de 25% nas compras de calcinhas brancas nos últimos dias em relação a todo o resto do ano. Tradicionalmente, a cor branca é favorita nas festas de reveillon.

Segundo a tradição, a cor significa paz, e por isso a Duloren acredita que as vendas são decorrências do aumento da violência nas cidades. Em anos anteriores a cor favorita vinha sendo a amarela, que significa dinheiro e que agora está em segundo lugar.

Sinceramente, não creio nessa conversa de paz. Quem bota uma calcinha branca, como a da foto, com todos os seus significados no estudo da libido humana, está querendo é ir pra guerra.

           



13/12/2017
Venezuela fica ainda mais triste

A ditadura comunista venezuelana é um fato tão sem graça que o país veste luto hoje com a notícia da morte do comediante Nelson Paredes, um dos mais populares na terra das misses. Era da escola do americano Jerry Lewis.

           



13/12/2017
Assembleia lança sua Revista Anual

Transparência e prestação de contas em matérias especiais. Esse é o objetivo da Revista Anual da Assembleia, lançada nesta terça-feira (12) durante a sessão solene de entrega de medalhas do Mérito Legislativo, Educacional, Social e Cultural. A publicação anual é produzida pelos repórteres, fotógrafos e publicitários que compõe as Coordenadorias de Comunicação Social e Imprensa e Divulgação e reúne os principais acontecimentos da Sessão Legislativa e presta contas do trabalho dos deputados estaduais, com destaque para as ações que aproximam a Casa da sociedade.

O lançamento aconteceu durante a solenidade da entrega das medalhas do "A Revista da Assembleia promove um encontro entre os cidadãos e o legislativo estadual, entre a sociedade e a atuação parlamentar. Ao explorar as matérias, os leitores vão descobrir alguns dos principais objetivos que movem a Casa: estar próxima ao povo e concentrar olhares para os problemas reais que a população enfrenta", destacou o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB).

A edição deste ano traz alguns diferenciais. Um deles é a própria capa, produzida a partir de uma imagem feita pelo fotógrafo Ney Douglas e ilustração da artista plástica e radialista Rita Machado, ambos servidores da Assembleia, e que retrata a aproximação entre a Casa e a sociedade. Com esse mesmo víeis grande parte das matérias trazem as ações realizadas pelo Legislativo que interiorizam o seu trabalho, a exemplo do programa Assembleia & Você.

Outras matérias destacam nas páginas da Revista da Assembleia capítulos importantes da história potiguar, como o pioneirismo das mulheres da vida pública, a origem dos símbolos oficiais do Estado e um pouco da biografia dos patronos da Casa, ou seja: dos homens e mulheres que emprestaram seus nomes para espaços e setores do legislativo potiguar.

Os números do Planejamento Estratégico da gestão e a atuação do legislativo em favor de causas sociais, a exemplo da campanha para doação de órgãos, foram transformados em textos leves e de fácil compreensão.
Com 55 páginas, a distribuição da Revista Anual da Assembleia é gratuita.

           



13/12/2017
Dezembro e suas crendices

É o mês de acreditar em Papai Noel; de acreditar que há harmonia familiar; de acreditar na bondade humana; de acreditar na confraternização entre amigos; de acreditar na paz dos povos; de acreditar que todas as crianças vão receber presentes; de acreditar nos sonhos de ano novo; e, principalmente, acreditar no propalado milagre de Natal.

Falar nisso, dezembro agora também é mês de acreditar num milagre para o Grêmio.

           



13/12/2017
Novo Star Wars é arrasa quarteirão

Do último fim de semana pra cá, foi muito mais fácil conseguir abadá dos blocos mais badalados do Carnatal do que garantir lugar na sessão de pré-estréia do filme Star Wars: Episódio VII - Os Últimos Jedi, marcada para esta quarta-feira a partir da meia-noite. Tudo lotado nas três redes de cinemas em Natal.

Se já é de um fanatismo sem fim a relação dos fãs com a saga de George Lucas, imagine o rebuliço mental com as primeiras impressões dos críticos que estão considerando o novo filme o mais bem construído e mais trepidante de todos.

No universo galáctico de 2017, fatos e imagens bem distintas da fantasia quadrinhista de quarenta anos atrás, 1977, ano de estreia da obra. Agora há meninos escravizados, animais maltratados, traficantes de drogas e milionários indecentes. Tudo uma combinação de blockbuster com marketing de emboscada, o que empurra a galera pra fila e prende nas cadeiras.

Em 153 minutos, o filme mais longo da saga começa com um terrível ataque das forças da Primeira Ordem contra a Resistência comandada pela general Leia Organa. O ritmo acelerado dos combates tem intervalos de humor quase infantil, uma fórmula usada nos filmes de super-heróis.

Porque é preciso manter o mito atraindo crianças e renovando o público. Coroas e garotos vão se divertir mais uma vez, e saberão que a saga continua com fôlego para novas gerações. Star Wars forever pra vocês!

           



12/12/2017
Sai os indicados ao Globo de Ouro

Saiu ontem (11) a lista oficial com os indicados ao Globo de Ouro 2018. O prêmio reconhece os melhores trabalhos do mundo do audiovisual, da televisão e do cinema e acontece no dia 7 de janeiro em Los Angeles, EUA. 

O grande destaque desta nova edição foi "A Forma da Água", filme de Guillermo Del Toro, que recebeu 7 indicações. Atrás dele ficou "The Post: Guerra Secreta" e "Três Anúncios para um Crime", ambos com seis indicações.

Veja a lista:

Melhor Filme - Drama
"Me Chame Pelo Seu Nome"
"The Post: Guerra Secreta"
"Dunkirk"
"A Forma da Água"
"Três Anúncios Para um Crime"

Melhor Filme - Comédia e musical
"Artista do Desastre"
"Corra!"
"Eu, Tonya"
"Lady Bird: É Hora de Voar"
"O Rei do Show"

Melhor Ator em um filme de drama
Timothee Chalamet, "Me Chame Pelo Seu Nome"
Daniel Day-Lewis, "Trama Fantasma"
Tom Hanks, "The Post: Guerra Secreta"
Gary Oldman, "O Destino de Uma Nação"
Denzel Washington, "Roman J. Israel, Esq."

Melhor Atriz em um filme de drama
Jessica Chastain, "A Grande Jogada"
Sally Hawkins, "A Forma da água"
Frances McDormand, "Três Anúncios Para um Crime"
Meryl Streep, "The Post: Guerra Secreta"
Michelle Williams, "Todo o Dinheiro do Mundo"

Melhor ator em um filme de comédia ou musical
James Franco, "Artista do Desastre"
Hugh Jackman, "O Rei do Show"
Daniel Kaluuya, "Corra!"
Steve Carell, "A Guerra dos Sexos"
Ansel Elgort, "Em Ritmo de Fuga"

Melhor atriz em um filme de comédia ou musical
Margot Robbie, "Eu, Tonya"
Saoirse Ronan, "Lady Bird: É Hora de Voar"
Emma Stone, "A Guerra dos Sexos"
Judi Dench, "Victoria & Abdul"
Helen Mirren, "The Leisure Seeker"

Melhor ator coadjuvante em filmes
Willem Dafoe, "Projeto Flórida"
Armie Hammer, "Me Chame Pelo Seu Nome"
Richard Jenkins, "A Forma da Água"
Sam Rockwell, "Três Anúncios Para um Crime"
Christopher Plummer, "Todo o Dinheiro do Mundo"

Melhor atriz coadjuvante em filmes
Mary J. Blige, "Mudbound"
Hong Chau, "Downsizing"
Allison Janney, "Eu, Tonya"
Laurie Metcalf, "Lady Bird: É Hora de Voar"
Octavia Spencer, "A Forma da Água"

Melhor Diretor
Guillermo del Toro, "A Forma da Água"
Martin McDonagh, "Três Anúncios Para um Crime"
Christopher Nolan, "Dunkirk
Ridley Scott, "Todo o Dinheiro do Mundo"
Steven Spielberg, "The Post"

Melhor roteiro de filme
"A Forma da Água" - Guillermo del Toro
"A Grande Jogada" - Aaron Sorkin
"Lady Bird: É Hora de Voar"- Greta Gerwig
"The Post: A Guerra Secreta" - Liz Hannah, Josh Singer
"Três Anúncios Para um Crime" - Martin McDonagh

Melhor trilha sonora para filme
"A Forma da Água" - Alexandre Desplat
"Dunkirk" - Hans Zimmer
"The Post: A Guerra Secreta" - John Williams
"Trama Fantasma" - Jonny Greenwood
"Três Anúncios Para um Crime" - Carter Burwell

Melhor canção para filme
Remember Me , "Viva - A Vida é Uma Festa"
This Is Me, "O Rei do Show"
Home, "O Touro Ferdinando"
Mighty River , "Mudbound"
The Star , "A Estrela de Belém"

Melhor animação
"Com Amor, Van Gogh"
"O Poderoso Chefinho"
"O Touro Ferdinando"
"The Breadwinner"
"Viva: A Vida é uma Festa"

Melhor filme língua estrangeira
"Em Pedaços - Aus dem Nichts"
"First They Killed My Father: A Daughter of Cambodia Remembers"
"Nelyubov"
"The Square"
"Uma Mulher Fantástica"

Melhor série de Drama
"The Crown"
"The Handmaid's Tale"
"This Is Us"
"Stranger Things"
"Game Of Thrones"

Melhor série de Musical ou Comédia
"Black-ish"
"Master of None"
"SMILF"
"The Marvelous Mrs. Maisel"
"Will & Grace"

Melhor Ator em série de drama
Sterling K. Brown,"This Is Us"
Bob Odenkirk, "Better Call Saul"
Liev Schreiber, "Ray Donovan"
Jason Bateman, "Ozark"
Freddie Highmore, "The Good Doctor"

Melhor Atriz em série de drama
Claire Foy, "The Crown"
Elisabeth Moss, "The Handmaid's Tale"
Caitriona Balfe, "Outlander"
Maggie Gyllenhaal, "The Deuce"
Katherine Langford, "13 Reasons Why"

Melhor Ator em série de Comédia ou Musical
Anthony Anderson, "Black-ish"
Aziz Ansari, "Master of None"
Kevin Bacon, "I Love Dick"
William H. Macy,"Shameless"
Eric McCormack, "Will & Grace"

Melhor Atriz em série de Comédia ou Musical
Pamela Adlon, "Better Things"
Alison Brie, "Glow"
Rachel Brosnahan, "The Marvelous Mrs. Maisel"
Issa Rae, "Insecure"
Frankie Shaw, "SMILF"

Melhor ator em série limitada ou filme feito para TV
Robert De Niro, The Wizard of Lies
Ewan McGregor, Fargo
Geoffrey Rush, Genius
Jude Law, The Young Pope
Kyle MacLachlan, Twin Peaks

Melhor atriz em série limitada ou filme feito para TV
Jessica Biel, "The Sinner"
Nicole Kidman, "Big Little Lies"
Jessica Lange, "Feud"
Susan Sarandon, "Feud"
Reese Witherspoon, "Big Little Lies"

Melhor ator coadjuvante em série limitada
ou filme feito para TV
David Harbour, "Stranger Things"
Alfred Molina, "Feud"
Alexander Skarsgard, "Big Little Lies"
David Thewlis, "Fargo"
Christian Slater, "Mr. Robot"

Melhor atriz coadjuvante em série limitada
ou filme feito para TV
Laura Dern, "Big Little Lies"
Ann Dowd, "The Handmaid's Tale"
Chrissy Metz, "This Is Us"
Michelle Pfeiffer, "The Wizard of Lies"
Shailene Woodley, "Big Little Lies"

Melhor filme para TV ou série limitada
"Big Little Lies"
"Fargo"
"Feud: Bette and Joan"
"The Sinner"
"Top of the Lake: China Girl"

Melhor atriz de minissérie ou filme feito para TV
Jessica Biel - "The Sinner"
Jessica Lange - "Feud"
Nicole Kidman - "Big Little Lies"
Reese Witherspoon - "Big Little Lies"
Susan Sarandon - "Feud"

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie
ou filme para TV
Ann Dowd - "The Handsman's Tale"
Chrissy Metz - "This Is Us"
Laura Dern - "Big Little Lies"
Michelle Pfeiffer - "O Mago das Mentiras"
Shailene Woodley - "Big Little Lies"

Melhor ator coadjuvante para série, minissérie
ou filme feito para TV
Alexander Skarsgård - "Big Little Lies"
Alfred Molina - "Feud"
Christian Slater - "Mr. Robot: Sociedade Hacker"
David Harbour - "Stranger Things"
David Thewlis - "Fargo"

           



12/12/2017
Raí no comando do futebol do SPFC

Na década de 90 e no início dos anos 2000, quando Raí entrava em campo com a camisa 10 do São Paulo, a torcida gritava, na arquibancada: "Raí, Raí, o Terror do Morumbi". Pois ele está de volta. O ex-jogador foi convidado pelo presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, para ser o novo diretor de futebol tricolor. E aceitou.

Raí assume o lugar deixado na última quarta-feira por Vinicius Pinotti. Por divergências com Leco, ele entregou uma carta de demissão, o que foi muito lamentado por parte do elenco - o volante Petros chegou a dizer que essa era a "notícia que o São Paulo não precisava".

Raí, na verdade, estava trabalhando no clube. Ele fazia parte do Conselho de Administração. Agora, no entanto, vai ter atuação ativa, principalmente nas tomadas de decisões importantes, como contratações. Será o homem de confiança do presidente.

A escolha pelo ex-camisa 10 levou em conta a preparação que ele vem fazendo na Europa, com cursos, e, claro, o fato de se tratar de um ídolo da torcida. Esse é um trunfo para se criar uma espécie de escudo para a diretoria.

Raí tem 52 anos e vai trabalhar como dirigente tricolor pela segunda vez. Em 2002, durante três meses, ele foi coordenador de futebol da gestão de Marcelo Portugal Gouvêa. Deixou o cartão depois de atuação discreta.

Como atleta, o ex-meia conquistou um Mundial de Clubes, duas Libertadores, um Brasileirão e cinco Paulistões, e está na história como um dos principais ídolos.

Dívida com Pinotti/ Vinicius Pinotti pode ter pedido as contas e deixado o São Paulo, mas isso não significa que o clube colocou um ponto final na relação com ele. Muito pelo contrário. O Tricolor tem uma dívida da casa de R$ 20 milhões com o agora ex-diretor e futebol. A informação foi divulgada pelo site Globoesporte.com.

Parte desse dinheiro se refere ao empréstimo feito por ele, quando ainda não integrava o quadro de funcionários do clube, para a compra do atacante argentino Centurión. Nessa transação, saíram dos bolsos dele R$ 14 milhões, que seriam pagos em até cinco anos pelo São Paulo.

O valor aumentou devido aos juros, principalmente porque o Tricolor ficou cerca de um ano sem pagar as parcelas devidas a Pinotti.

- Da redação do Diário de SP

           



07/12/2017
Vai que é tua, Jerusalém!

"Se o mundo tem uma opinião, não quer dizer que temos de aceitá-la".

A frase aspeada é do israelense Nir Barkat, atual prefeito de Jerusalém, um digno representante da geração de 1959, aquela que está dominando os destinos do planeta no comando das mais diversas atividades profissionais.

Apesar de proclamada muito antes da decisão de Donald Trump em reconhecer Jerusalém como capital de Israel, o que já deveria ser real desde 1967 (não fosse a politicagem da ONU), a frase representa com fidelidade histórica o sentimento do povo judeu e a verdade geopolítica que o mundo precisa aceitar.
 

           



07/12/2017
O preto no branco da audiência de TV

Nenhum bordão da TV aberta é mais assertivo do que o velho e batido "Sílvio Santos vem aí!", refrão da cantoria domingueira das moças e senhoras que habitam com fervor o auditório do ícone vivo da comunicação.

Ano após ano, quando os especialistas vislumbram e até profetizam a queda de audiência do canal de SS, o SBT, parece que o homem do baú tem uma inesgotável quantidade de ases na manga do paletó e os usa para mostrar que não é fácil tirá-lo da vice-liderança.

O mês de novembro foi mais uma prova disso. Os números registrados nas pesquisas televisivas mostraram que o SBT foi segundo lugar absoluto no País e, principalmente, em São Paulo, a caixa de ressonância do incansável carisma do Senor Abravanel.

Quanto mais a Rede Record (sob orientação da igreja Universal) usa da estratégia de polarizar com a líder, polemizando com a Globo, mais o SBT fura o cerco da disputa e se mantém no histórico lugar de sempre. Só precisa, acreditem, do feeling do velho comunicador, único remanescente dos tempos de televisão em preto e branco.

           



07/12/2017
A turma do caixa 2 e da propina

Ontem, dia 6, fez seis meses que o ex-deputado e ex-ministro Henrique Alves está preso, após investigações que o acusam de participar do esquema de corrupção no PMDB, que entre outros crimes envolvem propinas em superfaturamento das obras da Copa 14.

Mesmo diante da perspectiva cada vez mais evidente de que a carreira política do líder da família Alves está encerrada, seus lacaios nas redes sociais continuam agindo e vomitando verbo como se o filho de Aluízio estivesse prestes a conquistar Constantinopla.

           



05/12/2017
Tarantino na confecção de Star Trek

O universo da grife Star Trek continua em expansão.
O cultuado diretor Quentin Tarantino e o produtor J. J. Abrams já estão teletransportando para a sala de reunião um time de roteiristas para iniciar um novo longa metragem da franquia produzida pela Paramount.

Segundo notícia do site da revista The Hollywood Reporter, Tarantino já estaria definido como diretor do filme. O estúdio Paramount, por enquanto, não divulgou qualquer comunicado oficial sobre o fato, que já está atiçando os fanáticos de Star Trek.

Os últimos três filmes da saga foram produzidos pela Paramount, Star Trek (2009), Star Trek, Além da Escuridão (2013) e Star Trek, Sem Fronteiras (2016), os dois primeiros dirigidos por Abrams e o terceiro por Justin Lin, sendo este o de menor bilheteria da nova trilogia.

Vale lembrar que a Paramount havia previsto uma quarta produção e chegou a ventilar a possibilidade do ator Chris Hemsworth (de Thor) na pele do mítico capitão Kirk. Resta saber se isso está nos planos de Tarantino e Abrams.

 

           



1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21