Futebol

24/05/2016 00:50:05
O verdadeiro "Super Mario"

Destaque na Copa de 1978, Mario Kempes foi um dos maiores craques de sua geração

 
Kempes começou a carreira em dos principais times cordobeses, o Instituto, que sobe para a Primera División em 1972 e termina em oitavo lugar no campeonato nacional. Os dois grandes destaques do clube chegam à Seleção Argentina e são logo negociados: ele e Osvaldo Ardiles, que vai para o Belgrano, enquanto Kempes, ainda antes dos 20 anos, transfere-se para o Rosario Central (que havia sido o campeão nacional naquele ano), de maior prestígio.

Não tardou a destacar-se nacionalmente na equipe auriazul: marcou 29 gols em 36 partidas em 1974, terminando na artilharia do Nacional e quase sendo campeão duas vezes: os canallas ficaram com o vice-campeonato no Nacional, para o San Lorenzo e no Metropolitano (na época, torneio mais valorizado que o próprio nacional), para o rival Newell's Old Boys.

 
Na Libertadores de 1974, o time é eliminado na primeira fase após perder um play-off para o também argentino Huracán (ambos haviam terminado empatados na liderança), que fica com a única vaga para a fase semifinal. O bom desempenho de Kempes lhe garantiu na Copa do Mundo de 1974, tornando-se o primeiro a ir a uma Copa como jogador do Rosario, ao lado do colega Aldo Poy. A série de gols continuou: foram 35 em 49 jogos em 1975 e 21 em 22 partidas em 1976, quando terminou na artilharia do Metropolitano. Na Libertadores de 1975, Kempes leva o Central às semifinais de forma heróica: o clube novamente empatara na liderança da primeira fase, necessitando vencer um play-off, desta vez com o arquirrival Newell's, derrotado por 0 x 1 com um gol dele.
 
As semifinais disputam-se em grupos de três times. Os rosarinos perdem a vaga na decisão nos critérios de desempate, por um gol a menos de saldo que o Independiente, detentor do título - e que seria novamente campeão. Já nos campeonatos locais, o Central não alcançou as primeiras posições nestes anos, mas as performances de Kempes atraíram olhares da Espanha, iniciando negociações com o Valencia. O atacante, que vinha de uma família de classe média que atravessava dificuldades financeiras com a crise econômica, além de terem problemas também por serem vinculados ao peronismo, aceitou a proposta e levou todos os familiares consigo, fugindo da ditadura militar que em março daquele 1976 se instalara na Argentina, com um golpe de Estado.
 
Em sua primeira temporada no Valencia, a de 1976/77, mostrou serviço, terminando, com 24 gols, como artilheiro da Liga Espanhola. O time terminou apenas em sétimo, mas somente dez pontos atrás do campeão Atlético de Madrid. A segunda foi ainda melhor: Kempes marcou 28 vezes, foi novamente artilheiro e levou os Ches à quarta colocação, oito pontos atrás do campeão (desta vez, o Real Madrid) e classificado para a Copa da UEFA. A temporada se encerraria com ele como herói da Copa do Mundo de 1978.
 
Seu mau desempenho na Copa do Mundo de 1982, todavia, sinalizou o início de um ocaso na carreira. No retorno ao Valencia, o time ficou na última posição antes dos três rebaixados na temporada 1982/83. Na segunda, pouco jogou e o time conseguiu uma décima segunda colocação, decindindo livrar-se de seu antigo astro. Kempes assinou contrato com o recém-promovido Hércules, após disputar partidas em um clube de futebol de salão. No Hércules novamente vivenciou a experiência de ver o time terminando entre os últimos que se salvaram do descenso derrotando o Real Madrid em pleno o Santiago Bernabéu. Na temporada 1985/86, porém, o time não escapou, sendo rebaixado - curiosamente, ao lado do Valencia.
 

 

   


Comentários