Literatura

18/04/2016 01:08:00
Kraftwerk: a biografia

Usina criativa do Rock Eletrônico, banda alemã ganha biografia completa

 
Nos anos 1970, o Kraftwerk assombrou o mundo da música com um som cheio de sintetizadores e um visual que, entre a elegância dos costumes e a praticidade dos uniformes, mesclados a uma postura quase imóvel no palco, faziam os integrantes parecer bonecos ou robôs. O impacto do quarteto alemão de Düsseldorf foi tão grande quanto o que causaram artistas do nível de Rolling Stones, David Bowie, Pink Floyd e Iggy Pop. Agora, em agosto, chega ao Brasil Kraftwerk Publikation (editora Seoman, 368 páginas, R$ 46,80), uma biografia do grupo que permite entender melhor não apenas a trajetória, mas o alcance de seu legado.
 
Publicado em 2012 na Inglaterra, na Alemanha e nos Estados Unidos, o livro retrata de que forma Ralf Hütter (único integrante da fase clássica na formação atual) e Florian Schneider se uniram, decidiram enveredar por uma ainda incipiente seara eletrônica e se tornaram referência mundial. A história da banda, com os parceiros Karl Bartos e Wolfgang Flür, é contada dentro do contexto social e cultural da Alemanha e da Europa.
 
O autor, o jornalista inglês radicado na Alemanha David Buckley, investigou bastidores de gravações, o processo criativo, ouviu ex-membros e fez até um guia de 20 músicas essenciais do grupo. Escritor veterano de livros sobre música pop (entre eles, biografias de Elton John, David Bowie, R.E.M. e de Bryan Ferry e o Roxy Music), Buckley tenta entender e mostrar como homens de formação erudita e apaixonados por tecnologia tornaram-se tão influentes ao mesmo tempo em que iam na contramão da contracultura hippie e da grandiosidade do Rock de Arena.
 

   


Comentários