Cotidiano

21/12/2015 01:53:22
Celular: a primeira geração

Aparelhos surgiram para revolucionar a Comunicação, modificando hábitos e costumes que jamais voltaram a ser os mesmos


Muitos dos que choram ao pagar preços exorbitantes por modelos avançados na era 4G, nem imaginam que há cerca de três décadas teriam de pagar mais do dobro desse valor para adquirir um celular que tinha apenas uma única competência: permitir a realização de ligações fora de casa. O Motorola Dynatec 8000x, primeiro telefone móvel a chegar ao mercado, custava, no ano em que foi lançado, a bagatela de US$ 3.995 - o que, com a atual cotação de 2014, seria equivalente a US$9.000.
 
Vendo-se o design do aparelho, percebe-se de imediato que era não era só o preço que mal cabia no bolso do consumidor. O modelo tinha medidas inconcebíveis para os padrões de hoje: 33 centímetros de altura, 4,4 centímetros de largura e 8,9 centímetros de espessura. O peso era igualmente escandaloso e correspondia a 793 gramas. Não se sabe quem foi o primeiro cliente, mas o primeiro "The Brick" ("O Tijolo") - apelido do Dynatec 8000x, foi comprado em 13 de março de 1984 nos Estados Unidos. Seu protótipo, no entanto, já havia sido construído desde 1973 pelo engenheiro eletrônico Martin Cooper.
 
Já no Brasil, o primeiro telefone móvel a ser comercializado oficialmente foi o Motorola PT-550, na década de 90. O modelo, bem mais compacto que o pioneiro da marca, já vinha com identificador de chamadas, agenda eletrônica, um design bem mais moderno e com uma peça flip que protegia o teclado de 20 botões. O PT-550 possuía, além de tudo, uma bateria que durava apenas duas horas de ligação. O aparelho pesava 348 gramas, tinha cerca de 23 centímetros de altura e custava entre US$ 2.495 e US$ 3.495.

   


Comentários