BLOG DO ALEX MEDEIROS

09/01/2019
Nordeste de cabo a rabo

Na terça-feira, logo que terminou a reunião do presidente Jair Bolsonaro com seu ministério, o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, atendeu ao enxame de repórteres e disse que o capitão pediu à equipe muita atenção nos seus compromissos de campanha, principalmente em relação ao Nordeste.

Uma das promessas foi a formatação de um grupo interministerial para cuidar exclusivamente dos assuntos relacionados com as necessidades da região, a única em que o presidente perdeu a disputa de votos contra o petista Fernando Haddad. O ministro disse que oito pastas trabalharão juntas na missão.

Horas depois, foi noticiada a formação de uma frente ampla e suprapartidária de parlamentares nordestinos dispostos a operar em bloco em favor das causas mais urgentes do Nordeste. A ideia me parece com duas dificuldades: juntar deputados de ideologias diferentes e ter fôlego para brigar unidos.

Desde os tempos em que eu tinha longos cabelos e a televisão era em branco e preto, coleciono (além de sonetos, como na canção de Chico) decepções como cidadão diante de intenções políticas como esta. Todas as vezes - que me lembro - em que houve isso, só deu para a sardinha dos estados maiores.

A coisa começava, o show de retórica ganhava a mídia regional, cada qual dos envolvidos iludindo seus respectivos conterrâneos, deputados conduzindo governadores e secretários na velha via crucis ministerial, para no fim não dar em quase nada. Exceto para os pernambucanos, cearenses e baianos.

Segundo declaração de Onyx Lorenzoni, a tal força-tarefa dos ministros de Bolsonaro fará uma primeira reunião amanhã. O grupo de parlamentares não divulgou ainda uma agenda de trabalho. Espera-se que dessa vez as conversas não sejam apenas papo-furado de início de governo e legislatura.

E que, em acontecendo um verdadeiro mutirão político-administrativo, as atenções às questões nordestinas possam contemplar cada um dos nove estados e que tenham rápido efeito nas necessidades prementes das comunidades mais carentes. Que não invistam só no cabo de força, mas também no rabo sempre esquecido da região.