BLOG DO ALEX MEDEIROS

21/01/2019
O amigão de Freddie

O cineasta austríaco Rudi Dolezal, 61, um dos mais íntimos amigos do cantor britânico Freddie Mercury, acaba de conceder uma entrevista ao jornal americano The New York Post, onde revela dois fatos sobre o vocalista da banda Queen e que ainda era ignorado pelo mundo do rock.

Contou que havia um projeto de formação de um supergrupo musical integrando o escocês Rod Stewart, o inglês Elton John e o próprio Freddie, e que até o nome já havia sido criado: "Nose, Teeth & Hair". As palavras significam "nariz, dentes e cabelo", ideia sugerida por Rod Stewart.

"Creio que ocorreu a Rod a ideia do grupo com esse nome, porque ele tinha um grande nariz, Elton tinha problemas de queda de cabelos e Freddie tinha enormes dentes", disse Dolezal ao diário de Nova York. Disse ainda que o próprio Mercury gozava dos defeitos alheios e dos dele.

Outra revelação do cineasta foi sobre as últimas palavras do cantor do Queen, ditas ao seu assessor pouco antes de morrer. Segundo Dolezal, o assistente lhe contou que Mercury vivia assistindo aos vídeos "I'm going slightly mad" e "These are the days of our lives", que são de sua autoria.

O amigo lembra que durante os momentos mais duros da doença que acometia o cantor, ele ficava pedindo: "coloca de novo, põe outra vez", e se deliciava com os vídeos de Dolezal, que é autor de documentários sobre ele, destacando um sobre o álbum tributo "Lover of Life, Singer of Songs".

Rudi conta na entrevista que a última noite de Freddie Mercury vivo ele pediu ao seu cozinheiro, Joe Fanelli, que fizesse um banquete para seus amigos. Foram servidos sopa de verdura, costelas de porco com salsa e pasteis de maçã, tudo regado com champanhe francês e vodca gelada.

O cantor não experimentou nenhum dos pratos e morreu no dia seguinte, como já foi narrado num livro sobre ele escrito pelo jornalista Eric Frattini e pelo chef Andrés Madrigal. De acordo com Rudi Dolezal, uma doação de meio milhão de libras ficou como herança para o cozinheiro Joe Fanelli.

Além de ter sido um dos maiores amigos de Mercury, o cineasta também conviveu com outros grandes nomes da música pop, como Michael Jackson, os Rolling Stones, Frank Zappa e Bruce Springsteen. Em 2015 ele criou o Dolezal Backstage, um programa de TV contando seus encontros com os mitos. Já ganhou prêmios e em 2017 dividiu a direção do documentário "Whitney Houston, Whitney Can I Be Me".