BLOG DO ALEX MEDEIROS

06/03/2019
O papel do capitão presidente

Quanto mais a esquerda e a velha mídia relincham diante dos atos e discursos virtuais de Jair Bolsonaro, mais ele reúne fôlego para fazer exatamente o que vem fazendo. Está apenas dando ressonância ao silêncio da maioria, inerte durante os anos de governos centrados em pautas de desconstrução do modelo ocidental e cristão da sociedade brasileira.

Assim como faz Donald Trump nos EUA, Bolsonaro está pouco se lixando para a histeria sociológica dos intelectuais, artistas e jornalistas deformados nas cartilhas e preceitos de Lênin e Gramsci. Nem tá preocupado com essa gente falando em protocolo presidencial. Ele está pondo em prática o discurso que fez nas ruas, e amplificando a reação moral das multidões sem voz.

Num linguajar mais apropriado à tripudiação da derrotada esquerda jeca, Bolsonaro está cagando para o mimimi sobre uma suposta quebra de decoro. Ele não foi eleito para respeitar o blá blá blá politicamente correto; seus eleitores teriam votado em Haddad ou em Marina se assim pensassem. 

O capitão sabe que tem uma chance histórica de desconstruir os avanços ideológicos do PT e seus satélites, de ridicularizar a pauta escatológica dos radicais gays, de desmanchar os planos educacionais dos marxistas e de desbaratar a quadrilha comunista encastelada no Foro de São Paulo.

Bote pra foder, presidente!