BLOG DO ALEX MEDEIROS

14/03/2019
Oh, Suzano, choro por ti

Oh! Suzano
choveu a noite toda
no dia em que assistí,
o tom de voz do locutor
estava seco, engasgado
o sol se apagou na TV
as crianças apagadas
Suzano, eu choro

Oh! Suzano,
não chore por mim
não sou do Alabama
eu vim do Alecrim
pulei a bordo do lap top
e trombelado de susto
como um pai perdido

Vi o temor ampliado
no cheiro de morte
eu fecho os olhos
vejo Columbia e Alabama
seguro a respiração
Suzano, eu choro

Eu tive um sonho triste
na noite mais estranha
quando aqui trovejava
como os tiros na tua escola
descia uma colina
com crianças estiradas
e não era guerra de bolo
ou de trigo ou de mourisco

Eu tinha lágrimas nos olhos
tristeza vinda do norte
Oh, Suzano, teus garotos
mortos por outros garotos
aí perto ganhei uma menina
aí perto está meu menino
Suzano, eu choro

A vida vai acabando
aqui, aí, em New Orleans
novas iorques e parnamirins
basta olhar em volta
de Natal, Realengo, Suzano
valores desmoronando
um tempo sem porvir
civilização caída no chão
Oh, Suzano, choro por ti.