BLOG DO ALEX MEDEIROS

01/05/2019
Milionário banca 5 mil mercenários na Venezuela

A agência Reuters informou que o milionário americano Erik Prince, fundador do grupo de mercenários Blackwater, organiza há meses um exército de 5.000 homens para derrubar a ditadura comunista de Nicolás Maduro. Prince tem negócios tanto com Donald Trump quanto com Vladimir Putin, diz uma reportagem publicada hoje no jornal espanhol El Mundo.

Se a informação for correta, se trata de uma faca de dois gumes que pode ajudar o regime bolivariano da Venezuela, que já leva anos explorando com algum êxito o fantasma da intervenção militar estrangeira para justificar sua repressão e o caos econômico que destruiu o país.

Maduro, além do mais, está protegido por algumas centenas de mercenários russos de uma empresa chamada Wagner, também ligada a Vladimir Putin como a Blackwater, e que exerce o papel de verdadeira "guarda pretoriana" do ditador venezuelano, e em conjunto com militares cubanos.

Sem dúvida, parece que Erik Prince não conta com nenhum apoio, nem da oposição venezuelana nem dos países que querem a volta da democracia no país. Fontes ligadas a Juan Guaidó declararam à Reuters que não têm relação alguma com o empresário.

A Casa Branca declarou que não apoiaría a ação do milionário e sua Blackwater, acusados diversas vezes por violações de direitos humanos em diversas invasões, como a matança da Plaza de Nisour, en Bagdá, quando os mercenários assassinaram 17 civis iraquianos num ataque en 2007.

Prince adentrou nos negócios de guerra e guerrilha após ficar milionário com a empresa Frontier Services Group (FSG), constituída no paraíso fiscal de Bermuda e operando na bolsa de valores de Hong Kong. Entre seus sócios está o fundo chinês CITIC, onde o banco espanhol BBVA tem 10% de capital.

Prince empreende todo tipo de atividades: desde inversão indireta até construção de obras públicas e fábricas, passando por venda de armas e a construção de bases militares do Exército da China. São essas ligações legais ou ilegais com Rússia, China e EUA que permitem as ações do Blackwater pelo mundo afora.

Não duvidem que ao fim dos conflitos na Venezuela, Erik Prince será uma das partes a ganhar muito com o petróleo, qualquer que seja o resultado político e econômico no país.