BLOG DO ALEX MEDEIROS

08/05/2019
Outra virada épica do futebol britânico

Por mais espantosas que tenham sido as duas viradas de Liverpool e Tottenham nas duas semifinais da Champions League, respectivamente contra Barcelona e Ajax, é preciso avisar aos fãs do futebol europeu que tais resultados não são novidades quando se tratam de times ingleses.

Na goleada do Liverpool contra o favorito Barcelona na terça-feira, por exemplo, repetiu-se uma quase ressurreição já experimentada pelos Reds e seus torcedores em passado tanto remoto quanto recente. A loucura que tomou conta de Anfield Road foi uma reprise do que houve em 2005 na Turquia.

Talvez enfiar quatro gols nas redes catalãs numa semi nem seja mais espetacular do que achar dois gols contra o Milan nos últimos minutos de uma final da Liga, levar a partida para os pênaltis e levantar a taça, num dia que ficou marcado como "o milagre de Istambul". Foi lembrando daquela epopeia que a mídia inglesa usou o termo "milagre de Anfield".

E quem imaginou que estava vendo na virada do Liverpool sobre o time de Messi um fato histórico sem igual, deve ter caído o queixo ao testemunhar o retorno à vida do Totttenham em pleno estádio Johan Cruijff Arena, em Amsterdam. O time do treinador argentino Pochettino precisava de dois gols para classificar e tomou dois no primeiro tempo. No intervalo, o mundo já desenhava o Ajax na final.

Mas veio o segundo tempo e com ele o despertar do lázaro londrino, o Tottenham partiu pra cima, tomou a posse de bola e o jogador brasileiro Lucas Moura também resolveu acordar da aparente animação suspensa a que esteve afundado desde o fracasso na liga francesa.

O técnico argentino também se desfez da mortalha que havia sido envolvido na demissão do Real Madrid. No segundo tempo, mudou o jogo e o destino do time inglês, que nos pés de Lucas encontrou os três gols necessários para uma classificação com características de cinema fantástico e que a mídia e a torcida aprenderam a chamar de milagre.

Uma Champions League histórica e inglesa que só havia ocorrido uma vez em 60 anos, quando o Manchester United venceu o Chelsea em 2008. Para quem acha inusitado o duelo Liverpool x Tottenham na decisão, convém informar que em 2018 o futebol britânico conquistou a Copa do Mundo Sub 17, a Copa do Mundo Sub 20 e foi semifinalista na Copa do Mundo da Rússia.

Que os Reds e os Spurs façam uma grande disputa no estádio Wanda Metropolitano, em Madrid, e que sirva até de advertência ao futebol espanhol sobre uma provável perda de hegemonia na Champions. E que o planeta tente entender que já é possível se acostumar com uma final sem Lionel Messi e Cristiano Ronaldo.