BLOG DO ALEX MEDEIROS

19/10/2019
A volta de Sarah

Daqui a exatos dez anos, em 2029, o sargento Kyle Reese vai fazer a mais importante viagem da sua vida e, quiçá, da existência humana. Ele vai se transportar para o passado de 1984 e terá uma missão vital em Los Angeles para a salvação dos habitantes da Terra.

O soldado da resistência contra o poder das máquinas precisa interceptar um ciborque que foi enviado antes dele para matar Sarah Connor, mãe de John Connor, o seu líder lá no futuro.

Assim começou o filme Exterminador do Futuro, dirigido por James Cameron em 1984 e que seria aclamado pela crítica como uma obra de referência do gênero ficção científica.

Reese é personagem do ator Michael Biehn, um bonitão comparado na época ao cantor Jon Bon Jovi que naquele ano estava lançando o primeiro álbum da banda que leva o seu nome. Sarah foi interpretada por Linda Hamilton, que então aos 28 anos encantou as plateias.

O estereotipo da atriz no filme cabia perfeito no estilo feminino da época, um cabelo alourado cheio de camadas, a la Farrah Fawcett - uma das panteras do seriado da TV, um sorriso ingênuo e uma anatomia das novas academias.

Fugindo o tempo inteiro do exterminador, interpretado pelo brutamontes Arnold Schwarzenegger, Sarah acompanha o protetor Reese que só a encontrou pela única foto dela existente com o filho em 2029. E aí a dupla logo se apaixona.

O Exterminador do Futuro se tornou uma saga por mais quatro produções, tendo Linda Hamilton continuado a aventura no segundo, desta vez com Schwarzenegger no papel de mocinho defendendo mãe e filho das máquinas.

Antes de convidar Linda para o papel daquela Joana D'Arc futurista, James Cameron cogitou nada menos que outras 40 atrizes, entre elas estrelas como Jodie Foster, Meg Ryan, Sigourney Weaver, Glen Close e Diane Keaton.

Sete anos após o início da saga, uma Linda Hamilton na maturidade artística de trinta e poucos anos conquistou de novo os fãs da obra, de novo exibindo um corpo bem dividido e vestida a caráter para encarar todas as batalhas.

O segundo filme estourou nas bilheterias com mais de US$ 500 milhões de faturamento e consolidou a narrativa apocalíptica de um futuro dominado por robôs e uma grande empresa de internet planejando o extermínio dos homens.

Nos outros três filmes, Sarah Connor esteve presente apenas como uma referência genética do líder da resistência humana, numa ausência prestes a completar 30 anos. Mas, eis a boa nova, ela está voltando na sexta aventura.

Teremos de novo Linda Hamilton, agora aos 63 anos, no filme O Exterminador: Destino Sombrio, e outra vez ao lado de Arnoldo Schwarzenegger, ambos sob a direção de Tim Miller, o cara que dirigiu o herói dos quadrinhos Deadpool.

A sexta parte da franquia tem produção de James Cameron, o diretor que começou tudo em 1984. O roteiro agora aborda imigração, diversidade racial e tem Sarah Connor defendendo Dani Ramos, uma latina caçada pela Skynet.

Estreia no Brasil próximo dia 31, nas comemorações sombrias do Halloween.